É possível aprender dormindo – até certo ponto | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 01.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ciência

É possível aprender dormindo – até certo ponto

Cientistas suíços conseguiram ensinar vocábulos desconhecidos durante o sono, provando que o cérebro assimila informações em estado inconsciente. Mas o método não substitui o aprendizado convencional.

Voluntário do experimento de aprendizado no sono, em Berna

Voluntário do experimento de aprendizado no sono, em Berna

Os seres humanos são capazes de aprender inconscientemente novos conceitos e fazer determinadas associações com eles. Isso demonstrou um experimento realizado pela professora de psicologia Katharina Henke, de Berna, Suíça, e seus colegas Marc Züst e Simon Ruch.

Os 41 participantes ficaram escutando durante o sono pares de vocábulos, através de fones de ouvido. Uma delas era inventada, a outra, um conceito conhecido, com uma característica típica. Após acordar, eles conseguiam recordar as palavras e seu significado, como relataram os pesquisadores na revista especializada Current Biology.

Assim, enquanto um dos voluntários escutou "guga – pássaro", para o outro o par era "guga – elefante". No dia seguinte, foram interrogados se "guga" era algo grande ou pequeno, se cabia numa caixa de sapatos. Se os vocábulos eram reproduzidos na breve fase do sono profundo designada up state, 60% dos participantes classificavam corretamente as palavras inventadas.

Nessa fase, que só dura cerca de meio segundo, o eletroencefalograma registra que todas as células cerebrais estão ativas conjuntamente. Ela se alterna com o down state, em que não há atividade entre as diversas áreas do cérebro.

Falando à agência de notícias DPA, o coautor do estudo Marc Züst advertiu contra falsas interpretações dos resultados. O experimento de fato demonstra ser possível aprender com o inconsciente, porém não faz sentido colocar vocábulos como pano de fundo durante a noite, esperando que algo permaneça na memória: o barulho constante é antes uma fonte de perturbação para o sono saudável, podendo ter efeitos indesejados.

Ainda assim, a possibilidade de aprender inconscientemente pode ser aproveitada na terapia de diferentes doenças. Segundo Peter Young, presidente da Associação Alemã de Pesquisa e Medicina do Sono, trata-se de "uma nova dimensão da concepção de sono". Ele acha possível que os conhecimentos possam ajudar na reabilitação após acidentes ou doenças.

Há um bom tempo é sabido que aquilo que se aprende em estado consciente é consolidado no sono, lembra Young: "Quem toca flauta à noite em geral consegue tocar a peça melhor pela manhã, pois o efeito de aprendizagem se consolida com o bom sono."

O coautor Henke igualmente vê possíveis campos de aplicação para indivíduos com dificuldade de aprendizado. Seria pensável desenvolver um processo em duas fases, em que o aprendido em estado acordado seja complementado pelo aprendizado inconsciente durante o sono.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais