1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Fila para teste rápido de coronavírus
Notificação obrigatória de infecções às autoridades de saúde continua em vigorFoto: Leopold Nekula/ VIE7143/picture alliance
SaúdeÁustria

Áustria vai abolir quarentena para infectados assintomáticos

26 de julho de 2022

Contaminados com covid-19 que não tiverem sintomas poderão sair de casa, desde que usem máscara. Nova regra entra em vigor em 1º de agosto.

https://p.dw.com/p/4Egn5

Pessoas infectadas com covid-19 que estejam assintomáticas não precisarão mais ficar em quarentena na Áustria, anunciou terça-feira (26/07) o Ministério da Saúde do país. A nova regra entra em vigor em 1º de agosto, mesmo com o país enfrentando uma nova onda de infecções.

"Aqueles que estão doentes, fiquem em casa", pediu o ministro da Saúde, Johannes Rauch, ao anunciar a mudança.

Rauch disse que a decisão foi tomada tendo em vista, também, as consequências psicológicas e sociais da pandemia que se arrasta em seu terceiro ano, descrevendo isso como uma "nova fase". A notificação obrigatória de infecções às autoridades de saúde continua em vigor.

Em entrevista ao jornal austríaco Tiroler Tageszeitung, Rauch disse que é preciso "simplesmente observar que não podemos viver por anos com esse nível de clima de crise relacionado à pandemia".

Segundo ele, as medidas contra o coronavírus poderão voltar a ser reforçadas se a situação se agravar. 

Uso de máscara PFF2

Os infectados assintomáticos que saírem de casa precisarão usar máscaras PFF2, a menos que estejam do lado de fora ou possam manter uma distância de pelo menos dois metros de outras pessoas. Os contaminados são proibidos de entrar em locais que atendam pessoas especialmente vulneráveis, como hospitais, casas de repouso e instalações para deficientes.

A Áustria registra atualmente cerca de 900 casos de covid-19 por 100 mil habitantes nos últimos sete dias – índice, por exemplo, maior do que o da vizinha Alemanha. 

Atualmente, muito mais pacientes precisam de atendimento em hospitais do que em comparação com o verão europeu do ano passado.

le (AP,DPA)