UNITA aponta crime após divulgação de documentos de viagem de Costa Júnior | Angola | DW | 21.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

UNITA aponta crime após divulgação de documentos de viagem de Costa Júnior

UNITA acusa as autoridades angolanas de crime após a divulgação, nas redes sociais, de documentos pessoais do seu líder Adalberto Costa Júnior, que viajou para o Dubai. Partido cobra uma investigação por parte da PGR.

Adalberto Costa Júnior, líder da UNITA

Adalberto Costa Júnior, líder da UNITA

A UNITA mostrou-se hoje indignada com a divulgação, nas redes sociais, de documentos pessoais e de viagem do presidente do partido, Adalberto da Costa Júnior, acusando agentes dos Serviços de Emigração ou funcionários do protocolo do Estado de "cumplicidade".

Os documentos -- uma passagem para o Dubai e o passaporte do líder da UNITA -- foram divulgados após terem sido cumpridas as formalidades aeroportuárias, aquando do embarque de Adalberto da Costa Júnior, para uma viagem ao exterior do país, no domingo.

Numa nota do Secretariado Executivo do Comité Permanente da Comissão Política da UNITA, o maior partido da oposição manifesta, aos angolanos e à comunidade internacional, a sua indignação e mostra-se convicto que o crime "só foi possível com a cumplicidade de agentes dos Serviços de Emigração ou de funcionários do protocolo do Estado, que tiveram acesso aos seus documentos pessoais no Aeroporto 4 de Fevereiro".

Partido cobra punição

Invocando o direito à identidade, à privacidade e à intimidade, garantidos pela Constituição angolana, a UNITA salienta ainda que a legislação angolana diz que a divulgação e o acesso, não autorizados, de dados pessoais transmitidos são punidos com pena de prisão.

A nota salientou que tal constitui crime público cuja queixa não depende do lesado, e a UNITA pede às instituições, sobretudo a Procuradoria-Geral da República que "aja no estrito cumprimento da Lei, exerça o seu papel de titular da ação penal e apresente, no mais curto espaço de tempo, os culpados pela prática deste crime".

  

Há democracia interna na UNITA?

Leia mais