Uíge: Professores querem levar polícia a tribunal | Angola | DW | 01.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Uíge: Professores querem levar polícia a tribunal

O coletivo de professores do Uíge promete avançar com uma queixa-crime contra a Polícia Nacional de Angola, depois desta ter reprimido uma manifestação com recurso a gás lacrimogéneo.

O coletivo de professores do Uíge saiu às ruas, na manhã desta quinta-feira (01.07), para exigir o pagamento dos subsídios de férias de 2021 e de exames de 2019 - que o Governo provincial diz ter pago, mas que professores negam ter recebido. A manifestação foi convocada depois de terem falhado as negociações entre as partes.

Mas a polícia interveio e recorreu ao uso de gás lacrimogéneo para impedir o protesto. Segundo os manifestantes, várias pessoas ficaram feridas. Foram também detidos 12 professores e um jornalista, que já se encontram em liberdade.

Em entrevista à DW, Salvador dos Santos, um dos promotores do protesto, diz que os participantes ficaram surpreendidos com a violência das autoridades, pois não estavam a violar a lei.

DW África: O que aconteceu esta manhã durante o protesto?

Salvador dos Santos (SS): A manifestação foi fortemente reprimida pela Polícia de Intervenção Rápida. O coletivo de professores esteve congregado na rotunda do Songo, o local indicado para a concentração da manifestação. Momentos depois, partimos com a marcha até à catedral, junto à Praça da Independência – onde apareceu o aparato policial, [com homens] armados até aos dentes, como sempre.

Reprimiram a manifestação com agressão, espancamentos e dispersaram os colegas, rasgaram roupas, batas de professores. Os professores fugiram dispersos. E detiveram alguns colegas.

Fomos até à direção dos Serviços de Investigação Criminal. No entanto, apareceram também, prontamente, advogados da [Associação] Mãos Livres. Foram eles que intercederam e, felizmente, todos os detidos foram postos em liberdade.

DW África: Houve algum manifestante que tenha ficado ferido? Quantos professores foram detidos?

SS: Foram detidos 12 professores - dois deles promotores [da manifestação] - e um jornalista. Vários manifestantes ficaram feridos. Usaram gás lacrimogéneo e isso causou vários danos. Feriram muitas pessoas, três delas gravemente.

Angola Demonstration von Lehrern in Uige unterdrückt

Professores tentaram protestar mas foram impedidos

DW África: A organização cumpriu todos os procedimentos legais para a realização da manifestação?

SS: Com certeza. A organização cumpriu todos os pressupostos legais. Até antes da organização ter [enviado a] carta da manifestação, [tinha havido] uma negociação.

Fomos convocados ao Governo Provincial do Uíge, onde estiveram presentes o comandante municipal da Polícia Nacional, a vice-governadora para o setor social, o secretário do SINPROF [Sindicato Nacional de Professores], a diretora provincial da Educação, a delegada das Finanças. O coletivo dos professores esteve representado por cinco professores.

A governadora negou ter convidado os professores para ouvir as razões da manifestação. Dissemos que as razões são a reivindicação dos nossos subsídios de férias e de exame de 2019 e 2021, que não estão a ser pagos, e que um dos membros da direção provincial da Educação terá falado na rádio e confirmado ter pago esse subsídio. Na mesma reunião, apresentaram um documento comprovativo que confirma o pagamento desses subsídios, quando não é verdade. Nenhum professor recebeu esses subsídios, e a direção do SINPROF também confirma isso. Não foi pago qualquer subsídio aos professores.

No entanto, não chegámos a um consenso entre as partes. Mas todos os pressupostos legais foram cumpridos e parecia que a polícia estaria no local para assegurar a manifestação, mas fomos surpreendidos com essa repressão.

DW África: Caso as vossas exigências não sejam ouvidas, admitem voltar às ruas em protesto?

SS: Exatamente, nós vamos continuar. A partir de amanhã mesmo, nós, o grupo de organizadores deste protesto, vamos avançar com uma queixa-crime contra a Polícia Nacional, que agrediu gravemente os professores e chegou até a destruir aparelhos, megafones e telemóveis de colegas. A polícia terá de ser responsabilizada criminal e civilmente pelos seus atos.

Leia mais