1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW

Burkina Faso: Militares ocupam áreas estratégicas na capital

ms | DW (Deutsche Welle) | AFP | EFE
30 de setembro de 2022

Um tiroteio foi ouvido esta manhã em Ouagadougou, no bairro que acolhe a presidência e o quartel-general da Junta Militar no poder desde janeiro. Principais estradas estão bloqueadas e o sinal da televisão foi cortado.

https://p.dw.com/p/4HZaC
Forças de segurança nas ruas de Ouagadougou após ataque terrorista, em 2016
Forças de segurança nas ruas de Ouagadougou após ataque terrorista, em 2016Foto: picture-alliance/abaca/R. Zoeringre

Os militares ocuparam várias áreas estratégicas de Ouagadougou, a capital do Burkina Faso, esta manhã, numa altura em que o país se encontra num processo de transição após o golpe de Estado de janeiro passado.

"Ouvi grande explosões por volta das 04h30 da manhã e agora as estradas à volta da minha casa estão bloqueadas por veículos militares", disse à AFP uma testemunha que vive perto dda zona presidencial.

Há soldados nas imediações da estação de televisão nacional, da rotunda central das Nações Unidas e da Avenida Kwame Nkrumah, onde se encontra a sede da União Europeia (UE), não muito longe do aeroporto internacional de Ouagadougou.

O sinal da televisão pública foi cortado esta manhã, o que, segundo um jornalista que trabalha para a estação, deveu-se à ausência nas instalações das pessoas responsáveis pelas primeiras transmissões do canal.

Várias estradas da capital foram bloqueadas de manhã por militares. A situação ainda é confusa. Soldados têm vindo a disparar desde madrugada. Há quem fale numa tentativa de golpe de estado. O Presidente de transição, Paul-Henri Sandaogo Damiba, estará em parte incerta.

Novo ataque jihadista na segunda-feira

O Burkina Faso sofreu novamente um ataque jihadista na segunda-feira (26.09). Uma caravana humanitária, que deveria abastecer a cidade do norte de Djibo com alimentos, foi atacado por alegados jihadistas.

Onze soldados do exército Burkinabe morreram no ataque e cerca de 50 civis estão desaparecidos, de acordo com números oficiais provisórios.

O ataque deveria ser o foco de uma conferência de imprensa esta tarde pelo tenente-coronel Yves Didier Bamouni, comandante de operações.

O tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba assumiu a chefia do governo de transição após o golpe
O tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba assumiu a chefia do governo de transição após o golpe Foto: (Burkina Faso's Presidency/Handout/Xinhua/picture alliance

Transição liderada pelo exército

O Burkina Faso é governado por uma junta militar desde o final de janeiro de 2022, que chegou ao poder num golpe de estado.

O tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba, o homem forte da junta, tinha prometido fazer da segurança a sua prioridade num país atormentado por ataques jihadistas durante anos.

Desde 2015, ataques recorrentes já mataram milhares e deslocaram cerca de dois milhões de pessoas. Damiba assumiu a chefia de um governo de transição após o golpe que destituiu o governo civil de Roch Marc Christian Kaboré.

Na semana passada, Paul-Henri viajou para Nova Iorque, onde se dirigiu à Assembleia-Geral das Nações Unidas.

Esta quinta-feira esteve no norte do país, em Djibo, onde fez um discurso, mais uma vez relacionado com a segurança, na sequência dos recentes acontecimentos. 

Saltar a secção Mais sobre este tema