Tempestade Guambe ameaça chegar como ciclone em Moçambique | Moçambique | DW | 18.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Tempestade Guambe ameaça chegar como ciclone em Moçambique

Tempestade Guambe poderá transformar-se num ciclone, afetando a costa sul de Moçambique. Alerta coincide com outro já emitido pelo Instituto Nacional de Meteorologia para chuvas acima da média na província de Inhambane.

Mosamik Beira Zyklon Eloise

Ciclone Eloise castigou o centro de Moçambique

A tempestade tropical Guambe poderá crescer e transformar-se num ciclone, afetando a costa sul de Moçambique até domingo. A informação foi divulgada esta quinta-feira (18.09) pelo centro meteorológico francês do oceano Índico.

"Os impactos em termos de ventos e chuvas fortes deverão acontecer sobretudo no sul de Moçambique até domingo" e "os habitantes devem seguir indicações fornecidas pelas autoridades", alerta o serviço.

A intempérie, que está a cerca de 250 quilómetros da costa, não deverá entrar em terra, avançando para sul com o epicentro sobre o mar alto, mas suficientemente próximo para causar estragos.

Assistir ao vídeo 02:01

Moçambique: Eloise deixa 10 mil sem casa em Manica

O aviso coincide com outro já emitido na quarta-feira pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inam) moçambicano para chuvas muito acima da média (mais de 100 milímetros em 24 horas) na província de Inhambane.

Segundo as previsões do Inam, as províncias de Manica, Sofala e Zambézia, no centro, também deverão ser afetadas. A aproximação da tempestade Guambe acontece depois de o país já ter sido fustigado em poucas semanas por outras depressões atmosféricas que têm causado inúmeras inundações.

Moçambique está em plena época chuvosa e ciclónica, que ocorre entre os meses de outubro e abril, com tempestades oriundas do Índico e cheias com origem nas bacias hidrográficas da África Austral.

Este ano milhares de pessoas já foram afetadas.  As mais graves foram a tempestade Chalane, no final de 2020, e o ciclone Eloise, em janeiro, com um balanço oficial total de 19 mortos, mas relatos de autoridades locais apontam para o dobro.

Assistir ao vídeo 05:22

Moçambique: Heróis nas cheias do Búzi

Leia mais