Rússia: Líder da oposição Alexei Navalny detido em protestos contra Vladimir Putin | NOTÍCIAS | DW | 05.05.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Rússia: Líder da oposição Alexei Navalny detido em protestos contra Vladimir Putin

Navalny e centenas de simpatizantes do líder da oposição russa foram presos este sábado durante manifestações que ocorrem a dois dias da posse de Vladimir Putin para o seu quarto mandato presidencial.

Declarado inelegível por uma condenação criminal que considera orquestrada pelo Kremlin, o principal opositor russo, Alexei Navalny, não pôde concorrer às presidenciais, em março. Navalny pediu aos seus simpatizantes um dia de protesto em todo o país, este sábado (05.05).

Em Moscovo e São Petersburgo, as autoridades não autorizaram as manifestações. Muitos dos militantes pró-Navalny já tinham sido detidos na véspera. Entretanto, milhares de pessoas saíram às ruas de Moscovo e a polícia fez várias detenções, mas não houve tentativas imediatas de dispersar o protesto não autorizado. Segundo o OVD-Info, um grupo independente que fez a monitorização das prisões, mais de mil pessoas foram detidas em 19 cidades.

Russland Demo für freies Internet in Moskau | Navalny

Alexei Navalny, líder da oposição russa

Alexei Navalny foi um dos detidos em Moscovo, depois de ter sido recebido várias ordens das autoridades russas contra a organização de comícios sem autorização. A informação foi avançada por Leonid Volkov, político da oposição: "Navalny chegou à Praça Pushkinskaya e foi rapidamente detido. Foi absolutamente ilegal", disse o aliado do líder da oposição.

"Ele não é o nosso czar"

Várias pessoas foram detidas no extremo oriente e na Sibéria, onde as primeiras manifestações começaram, segundo a equipa de Navalny e observadores independentes. Na cidade siberiana de Krasnoyarsk, 15 pessoas, incluindo um jornalista, foram presas, segundo o OVD-Info. "As prisões foram conduzidas com brutalidade", segundo aquele grupo, referindo que alguns dos detidos apresentavam arranhões e contusões.

Em Tchelyabinsk, nos Montes Urais, a polícia prendeu três pessoas antes mesmo do início do protesto, escreveu o ativista Boris Zolotarevski na sua página no Facebook. Pelo menos dez pessoas foram presas em Barnaul, na Sibéria, segundo a equipa de Navalny.

Proteste in Russland Moskau

Manifestante detido em Moscovo

"O velho temeroso Putin pensa que é um czar, não é um czar e é por isso que temos de sair às ruas no dia 5 de maio", escreveu Alexei Navalny no Twitter.

Observadores temem que os protestos possam transformar-se em confrontos com a polícia, seguidos de detenções em massa, como foi o caso durante os protestos contra o terceiro mandato de Putin em maio de 2012.

Os confrontos com a polícia irromperam e centenas de manifestantes foram presos. Acusações criminais foram feitas contra cerca de 30 manifestantes e muitos deles foram condenados a até quatro anos e meio de prisão.

Vladimir Putin, que lidera a Rússia há quase 20 anos, foi reeleito em março para um quarto mandato, com uma votação acima dos 76%. A oposição e os observadores independentes disseram que houve fraude eleitoral.

Leia mais