Quem é Ba N′Daou, o Presidente transitório do Mali? | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 23.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Quem é Ba N'Daou, o Presidente transitório do Mali?

O major-coronel reformado Ba N'Daou vai liderar a transição como Presidente do Comité Nacional de Salvação do Povo. O coronel Assimi Goita também anunciou o próprio nome como vice-Presidente do período de transição.

O Presidente e o vice-Presidente que estarão á frente da transição no Mali vão tomar posse oficialmente na próxima sexta-feira (25.09) em Bamako. Um militar da ativa e outro da reserva devem determinar temporariamente o destino da nação - o que causa polémica dentro e fora do país.

O major-coronel reformado Ba N'Daou vai liderar a transição como Presidente do Comité Nacional de Salvação do Povo (CNSP). A nomeação do militar reformado como Presidente transitório foi revelada na segunda-feira (21.09) pelo líder da junta militar que está a governar o Mali. O coronel Assimi Goita também anunciou o próprio nome para o cargo de vice-Presidente do período de transição.

Aos 70 anos, o Presidente transitório do Mali já ocupou cargos importantes na hierarquia política e militar do país. N'Daou já foi ajudante do ex-Presidente Moussa Traoré, recentemente falecido, e assumiu brevemente, em 2014, o Ministério da Defesa no Governo do ex-Presidente Ibrahim Boubacar Keita.

O Movimento do 5 de junho - Reunião das Forças Patrióticas (M5-RFP) - que lutou contra o regime de Boubar Keita e apoiou o golpe militar - criticou a forma como foi feita a escolha dos líderes transitórios. Choguel Kokalla, coordenador do movimento, explicou em entrevista à DW África que o grupo não foi adequadamente envolvido no processo de nomeação. 

"O nosso representante moral, o Imam Mahmoud Dicko, foi convidado [pelo CNSP] para o corpo de nomeação como conselheiro. No entanto, percebeu que não houve debate, apenas foi lida uma mensagem com a decisão. Não houve debate”, constata Kokalla.

Mali I Nationalfeiertag in Bamako

Coronel Assimi Goita, Presidente do CNSP

Regras pós-transição

Entretanto, durante as negociações, há cerda de 10 dias, militares, políticos e representantes da sociedade civil concordaram que nem o Presidente interino nem o seu vice podem ser eleitos para cargos públicos após o período de transição de 18 meses.

Na sociedade civil, existem mais vozes críticas. A blogueira e ativista dos direitos humanos de Timbuktu, Fatoumata Harber, também conhecida como Tunbutu Woy, acha que a "nomeação foi feita de forma a cortar a relva debaixo dos pés do M5-RFP e uma transição liderada por civis. Por isso, o poder continua nas mãos da junta".

De acordo com o sociólogo Brema Ely Dicko, a eleição de um ex-coronel à frente da transição representa um baluarte que Goita e seus companheiros do CNSP estão a usar contra a Comunidade Económica da África Ocidental (CEDEAO) - que deu à junta militar um ultimato após o golpe de 18 de agosto. Um presidente civil e um primeiro-ministro teriam de ser nomeados até 22 de setembro, exigiu a CEDEAO.

"A CEDEAO pediu uma transição civil. E agora a junta apresentou um soldado aposentado, um semicivil, por assim dizer. De qualquer forma, isso permite-nos seguir em frente e pensar num primeiro-ministro civil”, opina Dicko.

Mali Massenkundgebung in Bamako

Golpe militar foi apoiado por manifestantes

"Humilde e calmo"

A discussão agora gira em torno da questão de saber se as recentes decisões sobre a presidência e a vice-presidência atendem aos critérios da CEDEAO. A comunidade regional enviará seus mediadores ao Mali esta semana.

A organização impôs sanções ao Mali que deveriam ser suspensas assim que uma nova liderança interina fosse nomeada. O coronel Goita exigiu nas celebrações dos 60 anos da independência do Mali, esta terça-feira (23.09), que a CEDEAO levante as sanções.

Allaye Bocoum, ativista do partido Solidariedade Africana pela Democracia e Independência, conhece pessoalmente o Presidente interino. "Somos vizinhos há 13 anos e posso dizer: N'Daou é um homem muito humilde e calmo… Um homem que, pelo que sei, nunca teve problemas com ninguém".

Assistir ao vídeo 03:40

Esta é a minha cidade: Segu

Leia mais