Presidente da Turquia trava migrantes no Mar Egeu | NOTÍCIAS | DW | 07.03.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Presidente da Turquia trava migrantes no Mar Egeu

Recep Tayyip Erdogan ordenou à guarda costeira que impeça migrantes e refugiados que tentam chegar à Europa pelo Mar Egeu. Na fronteira com a Grécia, voltaram a registar-se confrontos entre migrantes e polícia.

Migrantes que partem da Turquia chegam à ilha grega de Lesbos depois de atravessarem o Mar Egeu

Migrantes que partem da Turquia chegam à ilha grega de Lesbos depois de atravessarem o Mar Egeu

"Por ordem do Presidente (...) nenhuma autorização será dada aos migrantes para atravessar o Mar Egeu por causa dos perigos que isso implica", pode ler-se na publicação na rede social Twitter feita pela guarda costeira da Turquia.

O Mar Egeu estende-se da Grécia até à Turquia e é umas das rotas de migração mais utilizadas. As passagens da Turquia para Lesbos, na Grécia, aumentaram nas últimas semanas, depois de Ancara ter declarado que não iria impedir os migrantes e refugiados de tentarem chegar à União Europeia (UE). A Grécia acusa a Turquia de usar os migrantes e refugiados como peões num jogo político, enquanto Ancara denuncia a brutalidade de Atenas contra as pessoas que tentam chegar à Europa de barco.

De acordo com a publicação da guarda costeira turca, este sábado (07.03), a "abordagem de não intervir para impedir que os migrantes deixem a Turquia continua válida, exceto pelas vias marítimas, devido aos perigos" que a travessia representa.

A guarda costeira referiu também que salvou 97 migrantes em perigo na quinta-feira e acusou as autoridades gregas de "esvaziarem três embarcações, deixando-as à deriva, meias afundadas".

Gás lacrimogéneo na fronteira

Este sábado, as autoridades gregas lançaram gás lacrimogéneo contra migrantes que tentavam derrubar uma cerca para atravessar a fronteira entre a Turquia e a Grécia, enquanto outros atiravam pedras à polícia, causando pelo menos dois feridos. 

Segundo a agência de notícias Associated Press (AP), pelo menos dois migrantes ficaram feridos no confronto com a polícia grega, depois de os agentes terem respondido com gás lacrimogéneo a uma tentativa de um grupo de jovens migrantes de derrubar uma cerca na fronteira entre a cidade turca de Edirne e a aldeia grega de Kastanies. 

Rauchbomben und Tränengas an griechisch-türkischer Grenze

Polícia grega lança gás lacrimogéneo na fronteira

De acordo com a AP, um funcionário do Governo grego disse que os canhões de gás lacrimogéneo e de água foram usados para "fins de dissuasão". As autoridades gregas disseram que frustraram mais de 38.000 tentativas de travessia de fronteira na semana passada e prenderam 268 pessoas, apenas 4% delas sírias. Já este sábado, foram relatadas pelas autoridades gregas mais 27 prisões, a maioria imigrantes provenientes do Afeganistão e do Paquistão. 

A Grécia descreveu a situação como uma ameaça à sua segurança nacional e suspendeu os pedidos de asilo por um mês, dizendo que deportaria os recém-chegados sem proceder ao seu registo. Vários migrantes relataram que foram espancados por autoridades gregas quando enterram no país, e que foram forçados a regressar à Turquia. 

Erdogan em Bruxelas

O Presidente turco vai estar na próxima semana em Bruxelas, anunciou o seu gabinete numa altura de tensão entre a Turquia e a União Europeia por causa dos migrantes e refugiados. O comunicado divulgado pelo gabinete de Erdogan refere apenas que o Presidente chegará a Bruxelas na segunda-feira, não especificando onde estará durante a visita de dia e meio nem a natureza do trabalho que o leva à capital belga, onde se situa a sede da UE.

Nos últimos dias, a tensão entre Ancara e Bruxelas aumentou após a Turquia ter anunciado a abertura de fronteiras para deixar passar migrantes e refugiados para a UE, ameaçando falhar os compromissos assumidos com a Europa. A UE e a Turquia celebraram em 2016 um acordo no âmbito do qual Ancara se comprometia a combater a passagem clandestina de migrantes para território europeu em troca de ajuda financeira.

Erdogan lembrou que a Turquia abriga mais de 3,5 milhões de refugiados sírios e anunciou que iria deixar de ser a guardiã da Europa. 

As declarações foram veementes criticadas pelos chefes da diplomacia da UE, que lamentaram o "uso político de migrantes" e pediram a Ancara que não quebrasse os compromissos no acolhimento de refugiados.

A Grécia é o país que mais sente a pressão migratória nas suas fronteiras externas com a Turquia, um problema que afeta a Bulgária e o Chipre.

Assistir ao vídeo 03:42

Migração: Aumenta a tensão entre Turquia e UE

Leia mais