Presidente da Guiné-Bissau prossegue remodelação governamental | Guiné-Bissau | DW | 28.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Presidente da Guiné-Bissau prossegue remodelação governamental

O chefe de Estado guineense, Umaro Sissoco Embaló, continua a fazer mudanças no Executivo e nomeou agora um novo secretário de Estado da Ordem Pública. Mas há partidos que não concordam com esta remodelação "unilateral".

"É o senhor Augusto Kabi nomeado secretário de Estado da Ordem Pública", pode ler-se no decreto divulgado na quinta-feira (27.01), que é acompanhado de um outro com a nova orgânica do Governo e que passa a incluir a Secretaria de Estado da Ordem Pública.

Augusto Kabi é um dirigente do Partido de Renovação Social (PRS), que faz parte da coligação no Governo, juntamente com o Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15) e a Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), formação política liderada pelo primeiro-ministro, Nuno Gomes Nabiam.

Na quinta-feira (27.01), a APU-PDGB acusou Umaro Sissoco Embaló de "decisões e violações unilaterais e sistemáticas", como é o caso da recente remodelação governamental, que não partiu da iniciativa do primeiro-ministro, líder do partido.

"A APU-PDGB responsabiliza o senhor Presidente da República pelas futuras consequências que poderão advir dessas decisões e violações unilaterais e sistemáticas, sem respeito com os compromissos políticos assumidos, quando da formação do atual Governo, cujo objetivo principal seria garantir a estabilidade sociopolítica do país", salientou o partido do primeiro-ministro, num comunicado hoje divulgado.

Nuno Gomes Nabiam, primeiro-ministro da Guiné-Bissau

Nuno Gomes Nabiam, primeiro-ministro da Guiné-Bissau

"Política de traição, paga-se caro"

"Informa-se a opinião pública nacional e internacional e os partidos políticos parceiros da coligação que a iniciativa de remodelação governamental não partiu de sua excelência engenheiro Nuno Gomes Nabiam, primeiro-ministro", pode ler-se no comunicado de cinco pontos da APU-PDGB.

A APU-PDGB alerta também que a "política de traição, paga-se caro" e tem sido "fator das principais desavenças e consequentes instabilidades governativas que assolam o país".

O chefe de Estado da Guiné-Bissau divulgou esta quarta-feira (26.01) uma série de decretos presidenciais a anunciar uma remodelação governamental, após ter ouvido o Governo.

A nova orgânica do Governo passou a contar com 22 ministérios e nove secretarias de Estado.

A tomada de posse dos novos membros do Governo está prevista para esta sexta-feira (28.01), no Palácio da Presidência, em Bissau.

Guiné-Bissau: Quais as perspetivas da liberdade de imprensa para 2022?

Leia mais