Presidente da Guiné-Bissau exonera três ministros do PRS que não tomaram posse | Guiné-Bissau | DW | 10.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Presidente da Guiné-Bissau exonera três ministros do PRS que não tomaram posse

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, exonerou hoje três ministros do Partido de Renovação Social (PRS) que não participaram na tomada de posse do Governo que decorreu no Palácio da Presidência, em Bissau.

Segundo o decreto presidencial, lido pelo porta-voz da Presidência, Óscar Barbosa, foram exonerados , presidente em exercício do PRS, que tinha sido nomeado na quinta-feira (09.06) ministro de Estado e dos Recursos Naturais, Mário Fambé, que tinha sido nomeado ministro da Energia e Indústria, e Tcherno Djaló, que ia ocupar a pasta da Educação.

Fonte do PRS contactada pela Lusa afirmou que as nomeações para o Governo não foram feitas como combinado entre o partido e a Presidência. O partido vai reunir ainda hoje a comissão política.

Novo elenco

No Governo nomeado esta quinta-feira (09.06) pelo Presidente da República, o PRS tinha cinco ministros e cinco secretários de Estado. Apenas aqueles três ministros não participaram na cerimónia de tomada de posse.

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Guiné-Bissau, Suzi Barbosa, que não é militante do PRS, também esteve ausente da cerimónia de tomada de posse por se encontrar fora do país em comissão de serviço.

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, nomeou quinta-feira 23 ministros e 12 secretários de Estado para o novo Governo do país, de iniciativa presidencial, após ter dissolvido em maio o parlamento e marcado legislativas para 18 de dezembro.

Reflexões Africanas: As ameaças à democracia da Guiné-Bissau

 

Leia mais