Presidente da Guiné-Bissau exonera ministro da Economia | Guiné-Bissau | DW | 12.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Presidente da Guiné-Bissau exonera ministro da Economia

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, exonerou o ministro da Economia, Plano e Integração Regional, Vítor Mandinga, para "garantir o regular funcionamento do ministério e por conveniência política".

Vítor Mandinga tinha pedido em 2020 a demissão do cargo, mas depois desistiu da decisão

Vítor Mandinga tinha pedido em 2020 a demissão do cargo, mas depois desistiu da decisão

Num áudio do decreto lido esta quinta-feira (12.05) pelo porta-voz da Presidência, Óscar Barbosa, enviado à comunicação social, é referido que a decisão foi tomada sob proposta do primeiro-ministro, Nuno Gomes Nabiam, para "garantir o regular funcionamento do Ministério da Economia, Plano e Integração Regional e por conveniência política".

"As funções de ministro da Economia, Plano e Integração Regional passam a ser exercidas cumulativa e temporariamente pelo primeiro-ministro", refere o porta-voz da Presidência guineense.

Vítor Mandinga tinha pedido em novembro de 2020 a demissão do cargo alegando que a nomeação do vice-primeiro-ministro e coordenador para a área da Economia, Soares Sambu, lhe esvaziou as competências orgânicas e por estar em desacordo com o Orçamento Geral do Estado para 2021.

Na altura, o primeiro-ministro guineense não aceitou o seu pedido de demissão, tendo o ministro permanecido no cargo até hoje.

Reflexões Africanas: As ameaças à democracia da Guiné-Bissau

Leia mais