Presidente angolano faz remodelação na EPAL | Angola | DW | 21.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Presidente angolano faz remodelação na EPAL

Chefe de Estado angolano, João Lourenço, afasta administradores da Empresa Pública de Águas (EPAL-EP) depois de quase dois meses de greve dos trabalhadores, sem fim à vista.

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, exonerou o presidente do Conselho de Administração da Empresa Pública de Águas (EPAL-EP), Diógenes Orsini Flores Diogo.

Com Flores Diogo saíram também os administradores executivos Pedro Manuel Sebastião, Ana Eduarda Assis de Almeida e Adão Manuel da Silva, além do administrador não executivo Domingos António Candeia.

Só dois administradores ficaram em funções, segundo uma nota da Casa Civil divulgada na segunda-feira (20.05): Manuel Silva Lopes da Cruz (administrador executivo) e Armando João (administrador não executivo).

Diógenes Orsini Flores Diogo será substituído na chefia do Conselho de Administração por Fernando João Cunha, de acordo com o decreto presidencial.

Angola Wasserversorgung in Luanda

Em Luanda, corre água turva

Greve na EPAL

A remodelação na empresa pública ocorre quase dois meses depois de os trabalhadores decretarem uma greve, a 28 de março. Os grevistas exigem um aumento do salário base de 40 mil kwanzas (mais de 100 euros) para 100 mil kwanzas (mais de 300 euros), mas as negociações com a administração da EPAL foram suspensas.

Desde que a greve começou, corre nas torneiras de Luanda água imprópria para consumo.

Em entrevista à DW na semana passada, António Martins, 1º secretário da comissão sindical da EPAL, garantiu que o problema não tem a ver com a paralisação: "Não há produtos químicos", afirmou, "e, ainda que os trabalhadores estivessem lá a exercer a sua atividade, sem produtos químicos ficaria difícil resolver essa situação".

Leia mais