PR guineense compara boicote de técnicos de saúde a ″ato do terrorismo″ | Guiné-Bissau | DW | 25.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

PR guineense compara boicote de técnicos de saúde a "ato do terrorismo"

Umaro Sissoco Embaló criticou a paralisação dos trabalhadores da saúde e garantiu que haverá consequências para os responsáveis. PR guineense disse que boicote é "terrorismo por parte de pessoas falhadas".

Presidente guineense defende a responsabilização dos que encabeçam a paralisação da saúde na Guiné-Bissau

Presidente guineense defende a responsabilização dos que encabeçam a paralisação da saúde na Guiné-Bissau

Em declarações aos jornalistas, à chegada ao aeroporto de Bissau, vindo dos Estados Unidos da América, onde representou o país na Assembleia-Geral das Nações Unidas, Sissoco Embaló afirmou esta sexta-feira (24.09) que o pessoal da saúde jurou defender a vida e não pode agora boicotar serviços.

"Os médicos juram salvar vidas, agora não se pode levantar e dizer que há um boicote, isso não pode acontecer. Toda a gente tem o direito à vida. Haverá consequências e os responsáveis têm que ser responsabilizados", disse o presidente guineense.

Para reclamar o pagamento de salários e subsídios em atraso, o seu enquadramento no chamado Estatuto da Carreira Médica e ainda a melhoria de condições laborais nos centros de atendimento de doentes com a Covid-19, os técnicos da saúde pública guineense deixaram de comparecer nos serviços desde segunda-feira (20.09).

Boicote "por tempo indeterminado"

A partir de quarta-feira retomaram os serviços mínimos nos hospitais e centros de saúde após uma intervenção da central sindical (UNTG, União Nacional dos Trabalhadores da Guiné-Bissau), mas, de modo geral, mantiveram o boicote "por tempo indeterminado".

Umaro Sissoco Embaló instou o Governo e a Procuradoria-Geral da República a assumirem as suas responsabilidades perante o que considerou ser "terrorismo por parte de pessoas falhadas".

"Matar pessoas é um ato de terrorismo", declarou Embaló, criticando o comportamento dos médicos que aderiram ao movimento de protesto laboral e frisou que primeiro tinha que haver negociações com o Governo só em último caso poderia haver uma greve, mas previamente comunicada, disse.

Ainda hoje, o Procurador-Geral da República, Fernando Gomes, ordenou que sejam abertas averiguações para se apurar eventuais responsabilidades criminais dos responsáveis das organizações representativas do pessoal da saúde e o Governo considerou a iniciativa como tendo motivações políticas.

Assistir ao vídeo 02:22

Guiné-Bissau inicia vacinação contra a Covid-19 em plena greve da Saúde

Leia mais