Prémio Nobel de Química para modelo mais sustentável de fazer moléculas | NOTÍCIAS | DW | 06.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Prémio Nobel de Química para modelo mais sustentável de fazer moléculas

David MacMillan e Benjamin List desenvolveram uma ferramenta que produz um terceiro tipo de catalisador. Antes da criação dos dois cientistas, acreditava-se que apenas metais e enzimas poderiam realizar esse trabalho.

O prémio Nobel de Química de 2021 foi para o alemão Benjamin List e para o norte-americano David MacMillan, que criaram uma ferramenta de construção de moléculas, anunciou nesta quarta-feira (06.10.) a Real Academia de Ciências sueca.

A honraria para a ferramenta molecular, chamada "organocatálise assimétrica", foi anunciada pelo secretário-geral da organização, Goran Hansson. Segundo o Comitê, a invenção teve um grande impacto na pesquisa farmacêutica e fez a química "mais verde”.

List e MacMillan, ambos com 53 anos, vão partilhar o prémio de um milhão de euros. MacMillan é professor da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, enquanto List é diretor do Instituto Max Planck na Alemanha.

"Muitas áreas de pesquisa e indústrias dependem da capacidade dos químicos de construir moléculas que possam formar materiais elásticos e duráveis, armazenar energia em baterias ou inibir a progressão de doenças", disse o Comitê Nobel da Academia Real de Ciências da Suécia.

"Este trabalho requer catalisadores, que são substâncias que controlam e aceleram reações químicas, sem fazer parte do produto final”, acrescentam, lembrando que antes do trabalho dos laureados, os cientistas acreditavam que havia apenas dois tipos de catalisadores, metais e enzimas. 

Assistir ao vídeo 01:30

Os contemplados com o prémio Nobel Alternativo

No ano 2000, os pesquisadores, trabalhando independentemente uns dos outros, desenvolveram um terceiro tipo, denominado "organocatálise assimétrica", que se baseia em pequenas moléculas orgânicas. 

De acordo com a Clarivate, que mantém uma lista de potenciais vencedores do Prémio Nobel, mais de 70 pesquisadores tiveram condições de concorrer ao prémio de química, dadas as milhares de citações que receberam em trabalhos científicos.

Outras premiações

No ano passado, o Prêmio Nobel foi para a francesa Emmanuelle Charpentier e a americana Jennifer Doudna, pelo desenvolvimento da técnica de edição de genes conhecida como CRISPR-Cas9 – que corta o DNA com "tesouras".

A temporada do Nobel continua na quinta-feira (07.10.) com o prémio de literatura e com o da paz na sexta-feira (08.10.). O prémio de economia será atribuído na segunda-feira (11.10).

Leia mais