Polícia suíça dispersa protesto contra Presidente camaronês | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 29.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Polícia suíça dispersa protesto contra Presidente camaronês

Manifestantes protestaram contra Paul Biya em frente ao hotel onde o chefe de Estado, há 37 anos no poder, está hospedado em Genebra. Polícia lançou gás lacrimogéneo e usou canhões de água contra membros da diáspora.

Paul Biya está há 37 anos no poder nos Camarões

Paul Biya está há 37 anos no poder nos Camarões

A polícia suíça dispersou este sábado (29.06) uma manifestação contra o Presidente camaronês, Paul Biya. Cerca de 250 pessoas se concentraram em frente ao hotel onde o chefe de Estado está hospedado em Genebra.

Os manifestantes ergueram cartazes e faixas contra o que consideram a "ditadura senil" do líder camaronês, que está no poder há 37 anos. "Este ditador desperdiça milhares de milhões do nosso dinheiro enquanto a economia do país está doente. Não podemos aceitar isso", disse à agência de notícias francesa AFP Robert Wanto, responsável pelo conselho da diáspora. O camaronês está exilado em França há 30 anos.

Axille Fofou, camaronesa exilada em França, participou do protesto para mostrar "indignação" com um Presidente que está a fazer a população camaronesa "refém".

"Nos Camarões, as pessoas não têm nada e ele [Paul Biya] está aqui a gastar milhares em dinheiro todos os dias. Isso é inaceitável", afirmou. "A Suíça não deve apoiar esse ditador. Ao deixá-lo ficar aqui, é cúmplice de crimes horríveis", acrescentou a manifestantes.

Confronto

Quando os manifestantes avançaram para o hotel, a força policial que rodeava o edifício disparou granadas de gás lacrimogéneo e usou um canhão de água para dispersar os manifestantes. O porta-voz da polícia de Genebra, Silvain Guillaume-Gentil, disse que a polícia lançou o gás lacrimogéneo quando os manifestantes tentaram quebrar o bloqueio policial. Segundo a polícia, ninguém ficou ferido e nenhum manifestante foi preso.

Membros da segurança do Presidente dos Camarões também protegeram a entrada do hotel onde Biya, de 86 anos, está alojado. Os manifestantes tinham ordens da polícia suíça para não chegarem a menos de 500 metros do local.

Nos Camarões, os separatistas anglófonos reclamam um estado independente no Oeste do país, o que deu origem a um conflito armado que já provocou 1.850 mortos desde 2017. No norte do país, os 'jihadistas' do grupo Boko Haram atacam com frequência as forças de segurança.

A oposição a Biya vem também dos apoiantes de Maurice Kamto, do Partido para o Renascimento dos Camarões, preso desde janeiro, depois de ter perdido para Biya em eleições que consideram ter sido uma farsa.

Leia mais