Pode a oposição derrotar o MPLA em futuras eleições em Angola? | Angola | DW | 08.09.2012

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Pode a oposição derrotar o MPLA em futuras eleições em Angola?

Mais trabalho, mais empatia com os eleitores e líderes mais capazes. Estes são os conselhos que os analistas deixam à oposição angolana, para que possa vencer o MPLA, no futuro.

Angola Presidenciais 2012

Angola Presidenciais 2012

É difícil, mas nada é impossível. A opinião dos analistas é unânime: a oposição pode vir a vencer o MPLA em eleições futuras. Jorge Eurico, jornalista, analista político, e editor de política do Semanário Angolense, considera que "os partidos da oposição têm muito que trabalhar".

"Têm que procurar ter mais empatia com o cidadão eleitor, mostrar, de facto, que existem intenções e programas exequíveis, programas convincentes, para que possam, em 2017, por exemplo, ombrear de forma igual, em termos de campanha, com o partido no poder", acrescenta Jorge Eurico.

Wahl Angola

Na imagem o presidente da CASA-CE, Abel Chivukuvuku. Para os analistas a maioria dos partidos da oposição não é conhecida de Cabinda ao Cunene

Partidos da oposição angolana são pouco conhecidos

Mas, afinal, o que é que faltou à oposição angolana nestas eleições? Na opinião de Mário Pinto de Andrade, professor de Relações Internacionais e analista político, desde as figuras até aos discursos dos partidos, as lacunas foram muitas. "A maior parte dos partidos da oposição não é conhecida de Cabinda ao Cunene, no meio rural e mesmo no meio urbano. Nunca vi os líderes políticos a irem às universidades, enquanto cidadãos, nas suas áreas específicas. Nunca vi esses lideres a fazerem conferencias, debates".

Na perspectiva deste analista, "os programas eleitorais dos partidos foram pobres, o discurso dos líderes políticos foi pobre. Quem viu a televisão pública de Angola, quem leu os jornais, sabe que em vez de falarem do futuro limitaram-se a atacar o candidato José Eduardo dos Santos. Não tinham um discurso urbano e, portanto, o eleitorado penalizou-os".

Também Jorge Eurico considera que os partidos da oposição falharam na campanha eleitoral. Um exemplo, explica, é a UNITA. “Não têm hipóteses por sua própria culpa, chamemos-lhe assim. Penso que o líder da UNITA prejudicou um bocadinho a sua organização na medida em que, quando ele diz que estava apenas a exercer o seu direito de voto mas que sabia, à partida, que estas eleições seriam fraudulentas, criou uma certa regressão no seio do seu próprio partido e do eleitorado em si. E refiro-me à UNITA, porque a UNITA ainda é o segundo maior partido.”

Angola 2012 Wahlen Luanda

O MPLA tem meios e quadros que lhe permitem conduzir melhor as campanhas eleitorais

MPLA sabe conduzir melhor campanhas

Mas não só de erros da oposição se fez a vitória de José Eduardo dos Santos. Para ambos os analistas, o MPLA é o partido mais preparado para conduzir uma campanha de forma vitoriosa.

Ainda assim, os analistas ouvidos pela DW discordam das vozes que reiteram que a saída daquele que é o presidente angolano há 32 anos, por si só, pode significar mais hipóteses de uma chegada ao poder por parte da oposição. “Acho que é ‘fulanizar’ muito o debate, pessoalizar muito a questão, se nos concentrarmos naquilo que são as pessoas que, neste momento, lideram as formações políticas, no caso, o presidente Eduardo dos Santos", salienta Jorge Eurico.

"Penso que o MPLA tem meios e quadros capazes para continuar a dar sequência à sua estratégia eleitoral. Com ou sem Eduardo dos Santos penso que o MPLA vai continuar de forma inexorável a trabalhar no sentido de se manter no poder e manter o status quo”.

Mesmo sem Eduardo dos Santos MPLA tem vantagens

Concordando com Jorge Eurico, Mário Pinto de Andrade não hesita quando afirma que o MPLA continuará um passo à frente dos restantes partidos, com ou sem José Eduardo dos Santos. O analista critica mesmo quem afirma que uma vitória da oposição está dependente da saída do líder do maior partido angolano. "Considero que isso são análises erradas. Acho que, mesmo que daqui a 5 anos, eventualmente, José Eduardo dos Santos venha a sair, o nosso sistema político é um sistema de partidos. Claro que haverá também um peso sobre os cabeça de lista que os partidos venham a apresentar e, neste momento, penso que as grandes elites políticas do país estão mesmo no MPLA. Portanto, mesmo que venha a ser disputado, daqui a 5 anos, por uma nova geração de líderes, o MPLA estará sempre em vantagem".

Autor:Maria João Pinto
Edição: Helena Ferro de Gouveia / António Rocha

Ouvir o áudio 03:35

Pode a oposição angolana derrotar o MPLA?

Leia mais