OMC liderada pela primeira vez por uma mulher e africana | NOTÍCIAS | DW | 15.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

OMC liderada pela primeira vez por uma mulher e africana

A nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala foi nomeada para chefiar a Organização Mundial do Comércio (OMC), tornando-se a primeira mulher e a primeira africana a liderar a organização.

"Os membros da OMC acabam de aceitar nomear Ngozi Okonjo-Iweala como próxima diretora-geral da OMC. A decisão foi tomada por consenso durante uma reunião especial do Conselho Geral realizada hoje", indicou a organização poucos minutos após o início do encontro que teve lugar esta segunda-feira (15.02).

"A Dra. Okonjo-Iweala vai tornar-se a primeira mulher e a primeira africana na liderança da OMC. Vai assumir funções no dia 1 de março e o seu mandato, que pode ser renovado, expira em 31 de agosto de 2025", refere a mensagem da organização de supervisão do comércio mundial.

Okonjo-Iweala, de 66 anos, disse em comunicado que sua primeira prioridade será abordar as consequências económicas e de saúde da pandemia da Covid-19.

Deutschland Wirtschafts- und Finanzorganisationen bei Kanzlerin Merkel

Ngozi Okonjo-Iweala vai suceder o brasileiro Roberto Azevêdo no cargo (Foto de arquivo)

"A nossa organização enfrenta muitos desafios, mas trabalhando juntos podemos tornar a OMC mais forte, ágil e melhor adaptada às realidades de hoje '', explicou.

Foco no crescimento dos países mais pobres

A nomeação de Okonjo-Iweala acontece depois de o Presidente dos EUA, Joe Biden, ter endossado a sua candidatura que havia sido bloqueada pelo ex-Presidente Donald Trump.

Okonjo-Iweala foi ministra das Finanças da Nigéria e tem uma carreira de 25 anos no Banco Mundial a defender o crescimento económico e o desenvolvimento nos países mais pobres.

Acredita no poder do comércio para ajudar os países em desenvolvimento a sair da pobreza.

A nigeriana é formada em Economia pela Universidade de Harvard, com especialização em Economia Regional e Desenvolvimento pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

 

Leia mais