″O Banquete″: Irá a TPA abordar acusação de corrupção a Edeltrudes Costa? | Angola | DW | 01.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"O Banquete": Irá a TPA abordar acusação de corrupção a Edeltrudes Costa?

A série de reportagens da Televisão Pública de Angola (TPA) sobre a corrupção, "O Banquete", tem dado muito que falar. Deputado da UNITA espera que TPA aborde o caso Edeltrudes Costa, "braço direito" de João Lourenço.

Edeltrudes Costa

Edeltrudes Costa, chefe de gabinete do Presidente João Lourenço

"O Banquete", uma série de reportagens da Televisão Pública de Angola (TPA) sobre corrupção, continua a gerar reações negativas e positivas. Esta segunda-feira (30.11), completa uma semana desde a exibição do primeiro capítulo, que tem dado muito que falar.

Nas redes sociais, há quem louve a iniciativa, mas também há os que entendem que o "banquete" não tem sido bem servido.

O jornalista e analista Ilídio Manuel explica que falta "uma certa profundidade nestas matérias". "Do ponto de vista jornalístico, o trabalho não está a ser [feito] da melhor forma, visto que não está a proceder o contraditório. Não há uma tentativa", afirmou. 

Para Nelito Ekuikui, deputado da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o maior partido da oposição angolana, não há nada de novo nos dados apresentados nas reportagens. O representante daquela formação política diz que nota uma certa operação de "charme político" nas matérias.  

"Nós conhecemos perfeitamente todos que delapidaram o erário público. Nós sabemos o que eles fizeram com os nossos dinheiros. Infelizmente, essas pessoas ainda continuam a viver à custa do povo angolano", acusa.

Angola Luanda | UNITA-Abgeordneter Nelito Ekuikui

Nelito Ekuikui: "João Lourenço quer justificar que está a combater a corrupção"

As contradições de João Lourenço

O deputado acusa ainda o Presidente angolano, João Lourenço, de querer  "justificar que está a combater a corrupção". Ele "quer justificar a moralização da sociedade. Há aqui uma contradição muito grande", sublinhou.

Um exemplo de contradição, segundo Nelito Ekuikui, é o facto de até ao momento, João Lourenço não ter se pronunciado sobre o seu diretor de gabinete, Edeltrudes Costa. Ainda assim, o político ainda espera por um "banquete" sobre este assunto.

"Edeltrudes Costa está muito mais exposto. Acompanhamos todos recentemente uma reportagem da TVI que o indicia em crimes de corrupção, tráfico de influências no mandato do Presidente João Lourenço, e até aqui não ouvimos absolutamente nada", queixa-se.

E o caso BESA?

Um dos últimos episódios trouxe a público os meandros da China International Fund (CIF). O jornalista Ilídio Manuel diz que as pessoas também estão à espera de um "banquete" sobre o caso Banco Espírito Santo Angola (BESA), por exemplo. 

"As pessoas questionam, por exemplo, se a TPA terá coragem de abordar questões que têm a ver com os principais colaboradores do Presidente da República acusados de corrupção, como Edeltrudes Costa", disse.

"Também outra questão que tem gerado polémica tem a ver com o crédito mal parado que determinadas entidades, inclusive o próprio Presidente da República, fizeram ao banco BESA", aponta o jornalista.

A DW África tentou sem sucesso ouvir a direção da TPA sobre as críticas. 

Assistir ao vídeo 01:37

Luanda: Angolanos pedem a demissão de Edeltrudes Costa

Leia mais