Morreu o Presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 09.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Morreu o Presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza

O Presidente cessante do Burundi, Pierre Nkurunziza, morreu na segunda-feira de um ataque cardíaco fulminante, aos 55 anos de idade. A notícia foi avançada pelo Governo do país.

"É com profunda tristeza que o Governo da República do Burundi anuncia a morte inesperada de Sua Excelência Pierre Nkurunziza, Presidente da República do Burundi, na sequência de um ataque cardíaco a 8 de junho de 2020", foi anunciado na conta oficial no Twitter.

Segundo o Governo, Nkurunziza foi hospitalizado no sábado à noite, depois de assistir a uma partida de voleibol. Em comunicado, o porta-voz do Executivo, Prosper Ntahogwamiy, afirmou que o país perdeu "um filho digno, um Presidente da República, um líder supremo de patriotismo nacional".

O Executivo decretou sete dias de luto nacional, a partir desta terça-feira (09.06). A bandeira do país será hasteada a meio mastro em todos os edifícios públicos.

"Apelamos ao povo para manter a calma e continuar a rezar. Tudo o resto será comunicado mais tarde", afirmou o porta-voz Prosper Ntahogwamiye em entrevista ao serviço da DW em francês. 

Burundi Präsidentschaftswahl Evariste Ndayishimiye

Evariste Ndayishimiye foi eleito como novo Presidente do Burundi

Novo Presidente terá "rédea solta"

Pierre Nkurunziza estava no poder desde o final da guerra civil, em 2005, e liderou o Burundi com autoritarismo crescente. Dez anos depois de chegar à Presidência, a candidatura de Nkurunziza a um terceiro mandato, em 2015, gerou controvérsia e mergulhou o país numa grave crise política.

Pelo menos 1.200 pessoas morreram devido à violência que se seguiu, e 400 mil pessoas foram obrigadas a fugir, enquanto as autoridades reprimiam opositores e jornalistas.

A morte do Presidente cessante ocorre no mesmo dia em que o principal partido da oposição, o Conselho Nacional para a Liberdade (CNL), anunciou que aceita a decisão do Tribunal Constitucional sobre os resultados das presidenciais de 20 de maio, que deram a vitória ao candidato escolhido por Nkurunziza, Evariste Ndayishimiye.

Para o especialista Thierry Vircoulon, do International Crisis Group, a morte inesperada de Pierre Nkurunziza - a quem foi dado o título de "eterno líder supremo" - significará necessariamente que o novo Presidente terá "rédea solta".

"Depois das eleições, questionava-se que papel Pierre Nkurunziza desempenharia: se seria um obstáculo ao novo chefe de Estado ou, pelo contrário, se haveria uma boa compreensão mútua. Esta questão deixa de se colocar. O novo Presidente do antigo regime tem rédea solta", disse Vircoulon à DW.

De acordo com o calendário estabelecido, Nkurunziza deveria passar a pasta da Presidência a Evariste Ndayishimiye em agosto próximo.

Leia mais