MDM celebra seu 12º aniversário de existência, sem Daviz Simango | NOTÍCIAS | DW | 07.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

MDM celebra seu 12º aniversário de existência, sem Daviz Simango

Para este ano, as celebrações do 07 de março, aconteceram poucos dias após a morte do Presidente e fundador do partido - Daviz Simango.

O Movimento Democrático de Moçambique (MDM), comemorou este domingo (07.03), o seu décimo segundo aniversário de existência, poucos dias depois da morte do seu Presidente e fundador, Daviz Simango, falecido a 22 de fevereiro, na vizinha África do Sul vítima de doença.

Para celebrar a data da sua fundação, o MDM decidiu homenagear a "Vida e Obra de Daviz Simango”, segundo disse em entrevista à DW África, José Manuel, Secretário-geral do partido. Objetivo, segundo Manuel é "imortalizar o legado de Simango”. 

Perante vozes de que defendem que a morte de Daviz Simango pode precipitar o desaparecimento da segunda força política da oposição moçambicana, José Manuel, garante em entrevista à DW que "não vamos ter problemas”.

DW África: O MDM celebra o seu 12º aniversário de existência, sem o seu líder e fundador. O que é que este momento representa para o partido?

José Domingos Manuel (JDM): Este momento representa grandes desafios porque conforme pode notar é o primeiro aniversário do partido que se realiza na ausência do seu Presidente e fundador. É por isso que o lema que escolhemos para esta data foi:  "Vida e Obra de Daviz Simango".

Mosambik Daviz Simango

Daviz Simango, falecido Presidente do MDM

DW África: Porque deste lema?

JDM: Para reviver a vida e a obra que ele fez. Criar o partido e atingir os patamares que chegou. Mesmo, na componente de governação, Daviz Simango foi muito exemplar. Era contra a corrupção. Lutava pela justiça. E pensou sempre nos mais desfavorecidos. Então, este foi o principal objetivo de revivermos a vida e obra de Daviz Simango. 

DW África: Diferentemente dos outros anos, não houve eventos públicos para marcar a data. Alguma razão?

JDM: Comemoramos a data, apesar das restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus. A nível nacional os membros foram visitar as campas dos companheiros – membros fundadores perecidos nesta batalhar de ver o partido a crescer. Depois, na sede nacional, houve a exaltação da "Vida e Obra do Simango.

DW África: Há quem considere que com a morte de Daviz Simango, o MDM terá dificuldades para se reestruturar. Como Secretário do partido, o que tem a dizer?

Jose Domingos Manuel MDM

José Domingos Manuel, Secretário- Geral do MDM

JDM: Um partido que perde o seu líder fundador passa por alguma turbulência. Mas isso não impede o MDM de continuar a trabalhar para atingir a ideia de um "Moçambique para Todos”. 

DW África: Quer dizer que o partido não terá problemas?

JDM: Não.Isso é o que as pessoas acham. Mas, dizer que vamos ter problemas, não … não. Nós temos os órgãos do partido bem instituídos e a funcionarem. Então, vamos trabalhar para que isso, não aconteça.E em abril, o Conselho Nacional vai se reunir para convocar o Congresso Nacional, para decidir o futuro do partido.

DW África: O senhor José Manuel será candidato à presidência do partido?

JDM: Não é o meu objetivo atual. O que estou a fazer agora como Secretário-geral é cumprir com a minha tarefa de executor das atividades do partido. Neste momento, estou apenas coordenar algumas atividades para o funcionamento dos órgãos até a realização do Congresso. E na devida altura, quem quiser concorrer à presidência do partido estará livre de o fazer.

DW África: Há vozes que também defendem que o próximo Presidente do partido, deveria ser alguém que não seja do centro do país, para permitir a estabilidade do MDM. Como é que o partido olha para estas opiniões?

JDM: Não basta apenas reparar para as questões regionais. É preciso que seja uma pessoa da confiança dos membros e que mobilize as bases.

Assistir ao vídeo 01:25

Moçambique: "Não vamos esquecer Simango"