Libertadas centenas de estudantes raptadas na Nigéria | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 02.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Libertadas centenas de estudantes raptadas na Nigéria

Foram hoje libertadas as 279 alunas raptadas na sexta-feira (26.02) numa escola em Jangebe, no noroeste da Nigéria, encontrando-se agora em instalações do Governo do Estado de Zamfara, anunciou o governador.

Especialistas em segurança foram enviados para a escola após o rapto em massa

Especialistas em segurança foram enviados para a escola após o rapto em massa

"Fico feliz por poder anunciar que as jovens foram libertadas", disse o governador do Estado de Zamfara, Bello Matawalle, em declarações à agência de notícias AFP, garantindo que as adolescentes "estão de boa saúde".

"O número total de jovens raptadas da escola é de 279 e estão todas connosco", acrescentou o governador. Inicialmente, as autoridades disseram que havia 317 jovens sequestradasda Escola Secundária de Ciências do Governo na cidade de Jangebe, no estado de Zamfara.

Este foi o quarto ataque a escolas em menos de três meses no nordeste da Nigéria, onde grupos criminosos levam a cabo raptos para obterem resgates.

As autoridades de Zamfara negoceiam há mais de um ano acordos de amnistia com os criminosos, em troca da deposição de armas, de acordo com a AFP.

Em dezembro, foram os responsáveis deste estado que negociaram a libertação de 344 alunos raptados numa escola em Kankara, no estado vizinho de Katsina, cuja autoria foi reclamada pelo grupo extremista islâmico Boko Haram, que até então se limitava a atacar o noroeste do país, embora as autoridades os culpassem.

Symbolbild Entführung Schüler Nigeria

Em dezembro de 2020, 344 alunos foram raptados pelo Boko Haram numa escola em Kankara

Menores não devem "sofrer consequências dos conflitos"

Na semana passada, o secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou veementemente os raptos, apelando à "libertação imediata e incondicional" dos estudantes. Também calssificou os ataques às escolas uma grave violação dos direitos humanos.

A União Europeia (UE) também pediu a pedido a libertação "imediata e incondicional" de todos os reféns, incluindo os alunos de Kankara, salientando que os menores não devem "sofrer as consequências dos conflitos".

O Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, Josep Borrel, sublinhou que os ataques na Nigéria causam medo e prejudica os mais vulneráveis, as crianças e as mulheres. "O desaparecimento de alunos e os ataques contra as escolas converteram-se na marca registada dos bandidos, grupos criminais e grupos armados não estatais que operam na região", afirmou o ex-ministro.

Assistir ao vídeo 03:02

Nigerianos fogem do Boko Haram para a cidade de Monguno

Leia mais