Libéria: Data da segunda volta das presidenciais pode ser mudada | NOTÍCIAS | DW | 02.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Libéria: Data da segunda volta das presidenciais pode ser mudada

Esta quinta-feira (02.11.), o Supremo Tribunal da Libéria ordenou suspensão temporária dos preparativos para segunda volta das presidenciais, agendada para 7 de novembro. Comissão Eleitoral e queixosos devem ser ouvidos.

default

Eleições gerais de 2017, Libéria

O vice-presidente Joseph Boakai, do Partido da Unidade, no poder, enfrenta a ex-estrela internacional de futebol George Weah, do Congresso para a Mudança Democrática, na segunda volta das eleições presidenciais. O vencedor vai substituir a primeira Presidente eleita de África e Prémio Nobel da Paz, Ellen Johnson Sirleaf.

O candidato da oposição, que ficou em terceiro lugar na primeira volta, Charles Brumskine e o seu Partido da Liberdade, lideraram a petição legal que levou à decisão. O documento alega que a muitos eleitores foi negada a chance de participar na primeira volta das presidenciais, no passado dia 10 de outubro, e que Sirleaf estaria a interferir no processo eleitoral para influenciar o resultado.

O gabinete da Presidente negou as acusações de favorecimento a Weah como seu sucessor. O Partido da Liberdade quer uma repetição da primeira volta.

Partido de Weah adverte Supremo Tribunal

Vizepräsident Joseph Nyuma in Monrovia Liberia

Joseph Nyuma Boakai

Kla Toomey é assessor de media e assuntos políticos do partido e diz  que "o único interesse do Partido da Liberdade é que o Estado de Direito deve prevalecer. Quando as pessoas entram na fila para votar, elas vão lá com alguma expetativa. Num evento em que se sentem prejudicadas, elas consideram que os seus votos foram censurados por algum motivo perverso. É justo buscar reparação através do sistema judicial".

O partido de George Weah, o candidato mais votado na primeira volta, quer que a segunda volta prossiga na próxima semana. No fim de semana, o presidente do Congresso para a Mudança Democrática, Nathaniel McGill, advertiu que, se o Supremo Tribunal cancelar a eleição e "houver uma guerra no país", o tribunal será culpado.

Já o Partido da Unidade, que Boakai representa, disse que é solidário com a ação do Partido da Liberdade.

Tudo paralisado

Fussball WM 2010 Qualifikationsgruppen - Auslosung Georg Weah

George Weah

O advogado dos direitos humanos da Libéria, Tiawon Gongoloe, fala da suspensão dos preparativos para a segunda-volta: "Isso significa que tudo está parado, sem campanha, sem ação da Comissão Eleitoral, seus magistrados ou qualquer um de seus trabalhadores. Nada deve acontecer até que o Supremo Tribunal decida. Porque os problemas que estão perante o tribunal são tão graves que, se o processo continuar, pode prejudicar qualquer ação do tribunal".

Gongoloe acrescenta que o país deve tratar o assunto com seriedade. E lembra que "o conflito que terminou há 14 anos foi baseado na falta de confiança no resultado das eleições. Foi isso que fez com que mais de 200 mil pessoas fossem mortas neste país. Questões estão a ser levantadas sobre irregularidades, o que significa que ações foram levadas a cabo por alguns atores no processo eleitoral, de tal forma que o que surgiu não foi verdadeiramente o reflexo do que os eleitores votaram".

Ouvir o áudio 03:38
Ao vivo agora
03:38 min

Libéria: Data da segunda volta das presidenciais pode ser mudada

Após a decisão do Supremo de suspender temporariamente os preparativos para a segunda-volta das presidenciais na Libéria, o presidente da Comissão Nacional de Eleições, Jerome Korkoya, disse que pode ser que a data de 7 de novembro não seja mantida.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados