Legalização da comunidade angolana na Namíbia é autorizada | Angola | DW | 06.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Legalização da comunidade angolana na Namíbia é autorizada

A embaixadora de Angola na Namíbia anunciou que obtenção do cartão consular por angolanos residentes no país terá início imediato. Bilhetes de identidade serão emitidos para reduzir problemas de angolanos indocumentados.

Jovens angolanos. Foto ilustrativa.

Jovens angolanos. Foto ilustrativa.

A embaixadora de Angola na Namíbia, Jovelina Imperial, anunciou este sábado (05.10) que os primeiros serviços relativos à legalização dos cidadãos angolanos naquele país vão iniciar imediatamente com a inscrição para a obtenção do cartão consular. A diplomata fez o anúncio numa reunião com cerca de 200 angolanos residentes naquele país

Segundo uma nota da embaixada, a falta de documentação apropriada e o elevado número de jovens que atravessam ilegalmente a fronteira da Santa Clara, na província do Cunene, à procura de melhores condições de vida foram o foco das preocupações transmitidas pela comunidade. 

A diplomata, que esteve acompanhada por uma brigada do setor consular e outros funcionários da missão diplomática, disse que os primeiros serviços de legalização iriam iniciar-se logo após o encontro.

Força-tarefa

Jovelina Imperial disse que iria também contatar os departamentos ministeriais angolanos para levar até à Namíbia uma brigada para emissão de bilhete de identidade e, assim, minimizar os problemas enfrentados pelos angolanos sem documentação.

O Soba (líder tradicional) da comunidade angolana em Windhoek, a capital do país, realçou que "a comunidade deve estar mais unida". Domingos Katinde pediu que este tipo de reuniões se realizem com maior frequência, uma vez que a comunidade encontra-se dispersa pelas diferentes localidades do bairro Katutura. 

O encontro com a comunidade aconteceu um mês depois da acreditação da diplomata angolana na República da Namíbia e contou com a presença de representantes da prefeitura da cidade de Windhoek e da polícia namibiana. 

Leia mais