″João Lourenço até agora não mostrou que políticas tem para Angola″, diz Paulo Inglês | Angola | DW | 08.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"João Lourenço até agora não mostrou que políticas tem para Angola", diz Paulo Inglês

Angola está a entrar numa fase de normalização da política, considera o sociólogo angolano Paulo Inglês. Defende que o país precisa de sair da política de espetáculo para começar a discutir questões de fundo.

default

João Lourenço, Presidente de Angola

A DW África conversou com o sociólogo Paulo Inglês, a propósito da nova era em Angola, sob os comandos do Presidente João Lourenço. Paulo Inglês é investigador da Universidade de Bayreuth, na Alemanha.

DW África: Já se vêem em Angola os chamados "Eduardistas", contrariados, alguns até a chamaram a atenção ao Presidente, na imprensa, para ter mais cautela com as suas medidas, tal como há outros a alinharem do lado de João Lourenço. Há um risco de confrontação no seio do MPLA?

Paulo Inglês (PI): Estamos a entrar numa fase de normalização da política. Isso quer dizer que devia ser normal ter ideias diferentes sobre como o Presidente usa o poder. Podia ser discutido dentro do partido [MPLA] e fora, mas como vivemos durante muitos anos numa situação de anormalidade o voltar ao normal é visto como anormal. De facto, tem aparecido gente que acha que as mudanças do Presidente têm sido muito rápidas e, de certa maneira, de confronto, mas a questão é que podem haver opiniões diferentes dento do MPLA sobre como o Presidente exerce o seu poder, só que isso nunca houve no passado. Quem criticasse o Presidente [José Eduardo dos Santos], como o próprio João Lourenço criticou antes de ser Presidente, era posto de lado durante muitos anos.

DW África: João Lourenço mexeu no tesouro de José Eduardo dos Santos, ao demitir Isabel dos Santos da Sonangol, entre outras medidas que a afetaram, e ao por termo ao contrato entre empresa de Tchizé dos Santos e TPA2. Falta o Zenú no Fundo Soberano...

Paulo Ingles

Paulo Inglês, sociólogo angolano

PI: Houve rumores de que ele apresentaria livremente a sua demissão, depois surgiu um comunicado dele a dizer que não apresentaria a demissão. Se ele fosse exonerado do Fundo Soberano não seria uma surpresa. Além disso, há suspeitas muito graves sobre o uso do dinheiro do Fundo Soberano e, portanto, o Presidente podia, pelo menos, abrir uma investigação, avaliação ou auditoria ao Fundo Soberano e depois tomar uma media para não se pensar que é uma coisa pessoal contra o ex-Presidente e a sua família. Já que houve estas suspeitas [vindas] de fontes muito credíveis. O Presidente devia fazer uma auditoria, tão simples como isso. E assim sairiamos um pouco dessa política de espetáculo e entrariamos em questões de fundo: se o Fundo Soberano foi bem usado segundo as regras, se houve mau uso do dinheiro público, o que se passa? Acho que seria uma maneira de entrarmos em políticas mais sérias.

DW África: O que perspetiva para Angola, sob o ponto de vista social, nesta nova era?

Ouvir o áudio 03:40
Ao vivo agora
03:40 min

"João Lourenço até agora não mostrou que políticas tem para Angola", diz Paulo Inglês

PI: Nós estamos numa espécie de transição, estamos naquela fase em que já não estamos no passado mas ainda não estamos no novo, estamos no intermédio. Estamos a ver onde isso vai dar. Até agora, de facto, o Presidente não mostrou claramente que tipo de políticas é que tem para o país. As exonerações não são muitas claras, se o Presidente tem em vista, por exemplo em relação a Sonangol, uma política de longo prazo, em que a exoneração de Isabel dos Santos é parte dessa política ou se é só querer ganhar espaço para se desfazer de pessoas antigas. Agora, se de facto a ideia do Presidente é mostrar que tem políticas de fundo e para isso tinha de tirar essas pessoas, eu acho que a perspetiva é boa, mas isso só o tempo dirá. E há muita expetativa em relação aos setores sociais, por exemplo, a ministra da Saúde demitiu os diretores dos hospitais públicos. A questão é a mesma, se isto de facto é porque há um plano de fundo para o hospital público, então eu acho que está no bom caminho.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados