Guiné-Conacri: Aberto inquérito sobre crimes do regime de Alpha Condé | NOTÍCIAS | DW | 14.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Guiné-Conacri: Aberto inquérito sobre crimes do regime de Alpha Condé

Antigo Presidente da Guiné-Cronacri está a ser investigado para se averiguar crimes cometidos sob o seu regime. Alpha Condé foi derrubado por um golpe de Estado em setembro de 2021, mas continua no país.

A magistratura da Guiné-Conacri ordenou a abertura de um inquérito sobre alegados crimes cometidos durante o regime do antigo Presidente Alpha Condé, derrubado por um golpe de Estado em setembro de 2021.

"Dou instruções para que, sem demora, iniciem ou façam iniciar os procedimentos judiciários referentes à jurisdição ou jurisdições competentes em torno dos alegados factos cometidos durante o período entre 2010 e 2020 por pessoas ainda não identificadas", ordenou o procurador-Geral da Guiné-Conacri, Alphonse Charles Wright.

A afirmação vem numa diretiva consultada esta sexta-feira (14.01) pela agência France-Presse, enviada aos procuradores do Ministério Público do país. Alpha Condé liderou a Guiné-Conacri entre 2010 e 2021, antes de ser derrubado por um golpe militar liderado pelo coronel Mamady Doumbouya

O procurador-geral cita entre os factos a investigar homicídios, desaparecimentos forçados, detenções ou raptos por agentes do Estado, atos de tortura e violações das liberdades individuais.

As investigações basear-se-ão na convocação de testemunhas, audiências de vítimas, requisições judiciais "não sujeitas a qualquer forma de oposição decorrentes de segredo profissional", sublinha o procurador-geral.

Mamady Doumbouya

Mamady Doumbouya (centro), líder golpista

Autoristarismo de Condé

Os últimos anos de Condé no poder foram marcados, sobretudo a partir de 2019, por um exercício cada vez mais autoritário, de acordo com organizações defensoras dos direitos humanos, face aos fortes protestos contra um terceiro mandato do Presidente.

Os protestos, brutalmente reprimidos várias vezes, resultaram em dezenas de mortes de civis e algumas mortes entre as forças de segurança.

A reeleição de Condé em outubro de 2020, vigorosamente contestada pela oposição, foi precedida e seguida de dezenas de detenções.

A ordem para a abertura do inquérito ocorre quando Condé, sob prisão domiciliária em Conacri, acaba de ser autorizado a submeter-se a tratamento médico no estrangeiro durante um mês.

Alpha Condé atualmente com 83 anos, ainda não saiu do país.

Assistir ao vídeo 02:35

Guiné-Conacri: "Não haverá caça às bruxas", promete coronel Doumbouya

Leia mais