Gâmbia: Presidente cria novo partido e afasta-se da coligação que o elegeu | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 01.01.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Gâmbia: Presidente cria novo partido e afasta-se da coligação que o elegeu

O Presidente da Gâmbia, Adama Barrow, lançou o seu próprio partido político - um gesto que o afasta um pouco mais da coligação que o ajudou a ganhar a Presidência há três anos.

Adama Barrow, Presidente da Gâmbia e líder do Partido Nacional do Povo

Adama Barrow, Presidente da Gâmbia e líder do Partido Nacional do Povo

O chefe de Estado gambiano registou esta terça-feira (31.12) formalmente a nova formação, o Partido Nacional do Povo (PNP), do qual é o líder, junto da Comissão Eleitoral Independente, disse à France-Presse o porta-voz desta instituição.

O anúncio chega quando as relações entre Adam Barrow e o seu antigo partido, o Partido Democrata Unido (UDP, o maior do país), se deterioraram e duas semanas depois de milhares de manifestantes exigirem que ele se retirasse após três anos, como ele se comprometeu a fazer.

Investido por uma coligação da oposição para desafiar o Presidente Yahya Jammeh, que governou a antiga colónia britânica durante 22 anos, Adama Barrow venceu as eleições presidenciais de 1 de dezembro de 2016. 

Gambia Protest gegen Präsident Adama Barrow, Rücktrittsforderung

Protestos pediram a saída de Adama Barrow do poder em dezembro

Barrow tomou posse a 19 de janeiro de 2017, quando Yahya Jammeh aceitou partir para o exílio após uma intervenção político-militar regional.

Próximas eleições

O acordo da coligação estipulava que Barrow se demitiria da sua formação, o UDP, para concorrer às eleições como independente, e que após três anos ele organizaria uma nova eleição à qual não poderia concorrer.

Uma parte da coligação concordou em setembro que ele cumpriria o seu mandato de cinco anos. Mas dois dos partidos membros, incluindo o UDP, não concordaram com esta mudança. Ter o seu próprio partido deverá permitir a Barrow concorrer nas próximas eleições, de acordo com observadores.

 

Leia mais