Em Angola detenção antecede manifestação | Angola | DW | 28.03.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Em Angola detenção antecede manifestação

A poucos dias da manifestação em Luanda, a acontecer no sábado (30.03.), uma testemunha do rapto de outros dois ativistas é detido pela polícia, mas não se sabe do que Alberto António dos Santos é acusado.

As manifestações em Angola acontecem também noutras cidades, como Benguela, por exemplo

As manifestações em Angola acontecem também noutras cidades, como Benguela, por exemplo

“Foi ontem (27.03), às 10 horas e 30 minutos, quando o Alberto António dos Santos estava no mercado da Asa branca e foi surpreendido por um grupo de individuos que se apresentou como sendo da Direção Nacional de Investigação Criminal (DNIC). Um dos elementos do grupo exibiu uma fotografia dizendo estar à sua procura."

E foi assim que Alberto António dos Santos foi detido, segundo o seu primo José Baião. O ativista assistiu a 29 de maio do ano passado à detenção/rapto de outros dois ativistas, Isaías Cassule e Alves Camulingue, quando se manifestavam, em Luanda, contra o Governo do Presidente José Eduardo dos Santos.

De acordo com o primo do detido essas sinformações lhe foram passadas pelas pessoas que testemunharam o sucedido, mas ele tem uma dúvida: "Não sei se de facto apresentaram um mandato de captura ou não, algemaram-no e levaram-no para um carro de cor azul escuro. Com vidros fumados.”

De lembrar que até hoje não se sabe o paradeiro dos dois ativistas, mas a polícia, suspeita de os ter detido, nega tudo.

Mbanza Hamza (centro) é um dos jovens que prepara a manifestação de 30 de março

Mbanza Hamza (centro) é um dos jovens que prepara a manifestação de 30 de março

Os antecedentes da detenção de Alberto António

De salientar que a detenção de Alberto António acontece depois deste ter dito a Voz da América que a polícia ainda não o tinha intimado a prestar declarações, na qualidade de testemunha da detenção/rapto de Cassule e Camulingue.

Mas desta vez confirma-se que o detido está mesmo na polícia: “De facto está lá preso, mas ainda não foi ouvido. Segundo os investigadores, que estavam na presença do chefe máximo que o mandou deter, ainda não há outra infomação.”

Entretanto, 24 horas depois da sua detenção não se sabe do que é acusado. Alberto António dos Santos também não tem assitência jurídica, diz o seu primo José Baião: “Não podemos ainda contactar um advogado porque desconhecemos o crime de que está a ser acusado. “

Manifestações a vista

De lembrar que as manifestações deverão estar de regresso à Luanda no próximo sábado. O Movimento dos Jovens Revolucionários pretende exatamente protestar contra o desaparecimento dos dois ativistas, para além de exigir mais justiça social.

Os jovens garantem que a manifestação é legal. A última contestação no país, e por sinal referente a este caso, foi realizada a 22 de dezembro último.

A atuação da polícia angolana tem sido alvo de críticas vindas de vários quadrantes

A atuação da polícia angolana tem sido alvo de críticas vindas de vários quadrantes

Sobre a detenção de Alberto António o jornalista angolano Coque Mukuta mostra falta de confiança na atitude da polícia: “O que se quer fazer nesta altura é somente mostrar que estão a trabalhar, o que pode não ser verdade, e mostrar, só porque está prevista uma manifestação."

Também o jornalista considera que a detenção poder ser uma forma de intimidação para os que pretendem sair às ruas no dia 30 de março.

Recorde-se que as manifestações em Angola têm sido duramente reprimidas pela polícia, e muitas vezes até abortadas à nascença.

Ativistas dos direitos humanos e jornalistas também têm sentido o peso da força da polícia.

Convidado a fazer um prognóstico de mais uma manifestação Coque Mukuta não mostrou muito otimismo: “Espero que não haja espancamento e maus tratos contra os jovens."

O jornalista lembra o seguinte: "Temos uma polícia pouco esclarecida, a polícia secreta é também mal instruída e com comandos muito diferentes e que pode ser uma surpresa em termos de violência. Desejamos que a manifestação de sábado venha a ser um sucesso para os jovens, mas vamos esperar para ver.”

Ouvir o áudio 03:45

Em Angola detenção antecede manifestação

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados