1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Linha ferroviária em LuandaFoto: DW/M. Luamba

Descarrilamentos em Angola: Negligência ou acidente?

Manuel Luamba
27 de abril de 2022

Os descarrilamentos de comboios em Angola têm sido constantes e as causas continuam a não ser públicas. A DW África procurou saber de fonte oficial em que ponto estão os inquéritos aos acidentes, mas não obteve resposta.

https://p.dw.com/p/4AUcV

Nos últimos três meses ocorreram três descarrilamentos de comboios em Angola. As causas dos acidentes, que não fizeram vítimas mortais, continuam por apurar.

O mais recente acidente ocorreu na passada sexta-feira (22.04), quando um comboio que transportava 205 passageiros, e que fazia a rota entre Luanda e Malange, descarrilou. Não há registo de vítimas mortais, mas um dos membros da tripulação sofreu ferimentos ligeiros.

Descarrilamentos

De acordo com o porta-voz do Caminho de Ferro de Luanda, Augusto Osório, "o acidente ocorreu no ponto quilométrico 142, a nove quilómetros da estação do Zenza do Etombe, província do Kuanza Norte, e resultou no descarrilamento e tombo total da locomotiva e do 'Power Car' sem, entretanto, causar danos na linha férrea".

A administração do Caminho de Ferro de Luanda assegurou que iria criar uma comissão de inquérito para apurar as causas do acidente.

Angola Moxico |  Fahrgäste beklagen sich über illegale Gebühren in Zügen
Estação de comboio do Luena, no MoxicoFoto: Georgina Malonda/DW

Os descarrilamentos de comboios são frequentes em Angola. Em fevereiro, uma locomotiva com 14 cisternas carregadas de gasóleo e gasolina, que se deslocava para a província de Malanje, descarrilou na cidade de N'Dalatando. Até hoje, as causas do acidente permanecem desconhecidas. Desta vez, a tripulação não ficou ferida.

No início de março, um comboio do Caminho de Ferro de Benguela, de três carruagens, também descarrilou na localidade de Nalambada, a 14km da cidade do Luena, capital da província do Moxico. Na altura, foi dito que o acidente ocorreu quando o comboio "fazia o desvio da linha", o que, à partida, descarta a hipótese de negligência por parte do maquinista.

Mas porque é que há tantos descarrilamentos de comboios em Angola?

A DW África procurou saber de fonte oficial em que ponto estão os inquéritos aos acidentes, mas não obteve resposta. No entanto, o jornalista Ilídio Manuel aponta algumas possíveis causas dos descarrilamentos.

Angola Ilídio Manuel, Journalist
Para Ilídio Manuel, "a qualidade da linha férrea e a própria segurança rodoviária" podem ser a origem dos últimos descarrilamentos em AngolaFoto: Borralho Ndomba/DW

"Há uma série de fatores que concorrem para o descarrilamento, nomeadamente a qualidade da linha férrea e a própria segurança ferroviária", afirmou Ilídio Manuel.

Os comboios de Angola não têm sido apenas alvo de descarrilamentos sem respostas. Em fevereiro deste ano, o Caminho de Ferro de Luanda queixou-se da vandalização das ferrovias e dos comboios. Segundo a imprensa local, 14 locomotivas foram vandalizadas.

A DW África constatou também que há muito lixo ao logo da linha férrea e pessoas que vendem sobre a via.

Para o jornalista Ilídio Manuel, é urgente conhecer os resultados das investigações, até para que se possam evitar vítimas mortais.

"Fala-se da abertura de um inquérito, mas as conclusões raramente chegam ao público. Desde sempre se suspeitou que estas obras de caráter eleitoralista, que foram feitas às pressas, sem a devida fiscalização, por parte das empresas chinesas, podem estar a contribuir para os acidentes ferroviários".

Independentemente da origem dos acidentes ser negligência ou causas acidentais, o jornalista Ilídio Manuel deixa uma sugestão para prevenir futuros descarrilamentos de comboios.

"Antigamente, havia muito mais cautela na questão da movimentação dos comboios. Havia uma vagoneta que percorria todo o traçado antes do comboio principal fazer-se à linha. Agora, volta e meia, os comboios mal saem da estação e acabam por acidentar."

Angola: Só a subida no preço do petróleo não basta

 

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado