Bloco Democrático repudia ″prisão arbitrária e repressiva″ de manifestantes em Luanda | Angola | DW | 31.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Bloco Democrático repudia "prisão arbitrária e repressiva" de manifestantes em Luanda

Bloco Democrático repudia "prisão arbitrária e repressiva" de jovens que pretendiam protestar em frente à Assembleia Nacional. Os manifestantes apelavam por lisura e transparência na discussão do pacote eleitoral. 

Angola | Proteste gegen Polizeigewalt in Luanda

Foto de protesto em Luanda em fevereiro de 2021

O Bloco Democrático (BD) publicou uma nota de repúdio à ação policial que evitou um protesto em frente à Assembleia Nacional esta segunda-feira (30.08).

O BD considera a prisão dos manifestantes "arbitrária por não haver indícios ou elementos que apontassem atos imputáveis de crime por parte dos manifestantes e repressiva por coibir o direito de livre manifestação constrangendo e criando terror estatal através de truculência".

Na nota, o partido recorda que o direito à liberdade de expressão e livre manifestação é fundamental numa sociedade democrática e justa, considerando que o episódio "demonstra a truculência e o autoritarismo do Governo angolano".

Mais de 20 jovens ativistas, em Luanda, queixaram-se de terem sido impedidos pela polícia angolana de se manifestarem na manhã de segunda-feira (30.08) em frente à Assembleia Nacional, onde tencionavam "exigir justiça e transparência" na discussão das leis de alteração ao pacote eleitoral. 

A ação da polícia, que destacou um enorme dispositivo de agentes em todo o perímetro e ruas adjacentes ao parlamento angolano, disseram os manifestantes, começou a 300 metros da sede parlamentar. Alguns manifestantes foram detidos. Segundo o BD, entre os jovens detidos está o líder juvenil desta agremiação política, Adilson Manuel. 

Angola Luanda | Parlament - Assembleia Nacional

Protesto ocorreria em frente ao Parlamento

Liberdade de expressão

Para o BD, não preservar o direto à liberdade de expresso e de livre manifestação "leva à construção de uma sociedade baseada no medo de pensamento único, remontando a situações que levaram outras sociedades em direção à um Estado fascista". 

"E, para que isso não ocorra no nosso país, exprimimos o nosso repúdio ao facto ocorrido", lê-se na nota, que pede também a "libertação de todos os manifestantes por merecerem dos direitos de cidadania e participação política". 

A formação política afirma que não pactuará com os "episódios que nos últimos tempos se tornaram a marca da governação, dita democrática, onde, não poucas vezes", se assiste a "gente sendo presa e até morta por exercerem sua cidadania". 

Assistir ao vídeo 00:42

Magistrados angolanos protestam contra más condições laborais

Leia mais