Bastonária da Ordem dos Médicos angolanos garante continuar no cargo | Angola | DW | 23.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Bastonária da Ordem dos Médicos angolanos garante continuar no cargo

Elisa Gaspar diz ter encontrado uma dívida equivalente a 27 mil euros e promete avançar com duas queixas-crime contra o conselho regional norte por "calúnias".

Assembleia-geral extraordinária da ORMED realizada no sábado passado (17.10), em Luanda

Assembleia-geral extraordinária da ORMED realizada no sábado passado (17.10), em Luanda

Elisa Gaspar, que falava na quinta-feira (22.10) à imprensa sobre as acusações de desvio de fundos e gestão danosa da Ordem dos Médicos angolana (ORMED), situação que contribuiu para a sua destituição aprovada pelo conselho norte, voltou a negar as acusações, afirmando serem caluniosas.

Segundo a médica angolana, que sustentou as suas declarações distribuindo documentos aos jornalistas, a sua direção já abriu dois processos-crime no Serviço de Investigação Criminal (SIC) e na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra os acusadores.

"Não houve desvios de fundos e abrimos dois processos-crime no SIC e na PGR e acredito que todas essas questões de desvios de fundos e de património será resolvido em justiça porque nós quando caluniamos temos de ter provas", afirmou.

"Campanha de difamação"

O conselho regional norte da ORMED aprovou, no sábado passado, a destituição de Elisa Gaspar, devendo ser promovidas novas eleições em 90 dias.

De acordo com a deliberação aprovada no final da assembleia-geral extraordinária e lida por Arlete Luyele, presidente da assembleia do Conselho Regional Norte da Ordem dos Médicos, além da destituição foi também decidido criar uma comissão de inquérito para analisar as irregularidades e promover uma auditoria independente.

Elisa Gaspar, há mais de um ano no cargo de bastonária da ORMED, é acusada de "descaminho de fundos e gestão danosa" da instituição, entre os quais um alegado desvio de 19 milhões de kwanzas (24.000 euros), e de "outros gastos injustificados".

Assistir ao vídeo 03:12

No coração do maior centro de hidrocefalia de Angola

Para a bastonária da ORMED, alguns dos seus ex-colaboradores, já demitidos, "estão a liderar" a que denomina "campanha de difamação e de falsificação de documentos".

Recordou que o antigo diretor do seu gabinete foi afastado da instituição por falsificação de documentos, acusa os seus colegas de "ambição desmedida" e afirma que os 19 milhões de kwanzas foram cedidos à Ordem pela ministra da Saúde.

"Isso trata-se de um pouco de ambição desmedida dos colegas porque achavam que a Ordem tinha muito dinheiro e queriam usufruir dos fundos quando a mesma tem dificuldades", apontou.

Dívida

Elisa Gaspar revelou também que quando assumiu o cargo "não havia nada" na ORMED e que encontrou uma dívida de 21 milhões de kwanzas, situação que a levou a solicitar o apoio à ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta.

"Quando cheguei aqui não tinha nada e pedi esses valores à ministra e quase 10 milhões de kwanzas foi para pagar salários, outros seis milhões foi para comprar todo o material informático e o que sobrou pagamos água, porque encontrei uma dívida de 21 milhões de kwanzas", explicou.

A direção da ORMED anunciou, na segunda-feira, que a bastonária "continua em funções até ao final do seu mandato" e considerou a sua anunciada destituição como uma "tentativa de manipulação da opinião pública".

Em nota de esclarecimento enviada à agência de notícias Lusa, o gabinete de comunicação institucional da ORMED diz que tomou conhecimento da suposta destituição da sua bastonária por via da comunicação social.

Em declarações à imprensa, na quinta-feira, Elisa Gaspar recordou que foi eleita "democraticamente" e que vai "cumprir o seu mandato" de três anos.

"Há sempre eleições e as pessoas têm de se preparar para as próximas eleições, fazerem as suas candidaturas, as suas campanhas e ganharem porque não pode ser por via da força", concluiu.

Assistir ao vídeo 02:03

Luanda: Academia fabrica álcool gel gratuito para hospitais