Baixo poder de compra dos angolanos prejudica quadra festiva | Angola | DW | 21.12.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Baixo poder de compra dos angolanos prejudica quadra festiva

Cidadãos angolanos estão preocupados com a subida constante dos preços de bens e serviços de primeira necessidade. Sindicatos dizem que os trabalhadores vão passar o "pior final de ano das suas vidas".

Nas ruas de Luanda, os mercados formais e informais são preenchidos pelos cidadãos que andam em busca de bens e serviços para a quadra festiva.

Ainda assim, os preços não facilitam os bolsos dos luandeses, como diz João Sérgio, residente da capital angolana, "os preços continuam a subir. O saco de fuba está a 14 mil, mas o de arroz está a 11 mil kwanzas".

Angola | Luanda - Neto Pequenino

Neto Pequenino

Neto Pequenino, oriundo de Benguela, vive em Luanda há algum tempo e tem um discurso semelhante.

"Está muito caro. Nas praças, nos mercados, nas lojas, todas as coisas estão mesmo caras. Eu não estou a ver uma coisa que já baixou", queixa-se.

IVA baixa, mas população não sente

Mas o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) baixou de 14% para 7%, uma iniciativa do Governo. Ainda assim, o preço da cesta básica continua alta e cidadãos como João Sérgio dizem que essa redução não se reflete no preço dos bens e serviços de primeira necessidade.

"Se o IVA baixasse, se calhar podia baixar também um pouco o preço dos bens e serviços básicos", conta.

A redução de 7% do IVA incide sobre produtos e bens como a carne fresca e congelada, peixe congelado e seco, coxa de frango, leite condensado e em pó, margarina, ovos, feijão, batata-doce, entre outros.

Angola | Luanda - João Sérgio

João Sérgio

Francisco Jacinto, secretário-geral da Central Geral dos Sindicatos Independentes e Livres de Angola (CG-SILA), também não vê o reflexo da redução do IVA na vida das populações.

"Se quiser ter a certeza disso, vá ao supermercado, que os recebidos que nos entregam nas caixas ainda está a 14%, ao invés de 7%", diz o sindicalista.

Governo não combate inflação

Recentemente, o Presidente João Lourenço reconheceu o fraco poder de compra das famílias angolanas. "Os trabalhadores vão passar o pior final-de-ano das suas vidas, dada a situação de carência que se agrava por todo o país", afirma Francisco Jacinto.

O sindicalista termina ao apontar um dedo acusador ao Governo, "esperamos há mais de cinco, seis anos que o Governo ajuste o salário mínimo para compensar a inflação e a perda de poder de compra dos trabalhadores".

Como alguns jovens angolanos estão a fintar o desemprego?

Leia mais