Arranque da campanha eleitoral em Nampula | Moçambique | DW | 02.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Arranque da campanha eleitoral em Nampula

Os partidos derrotados na primeira volta da eleição do presidente do município de Nampula, no norte de Moçambique, prometem apoiar a RENAMO na segunda volta, a 14 de Março.

Arranca neste sábado (03.03), com duração de dez dias, a campanha eleitoral para a segunda volta da votação do presidente da autarquia de Nampula, no norte de Moçambique. Os dois candidatos que disputam a presidência do Município de Nampula nas eleições de 14 de Março, são Paulo Vahanle, a maior formação da oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) e Amisse Cololo, da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), no governo em Maputo.

Caifadine Manasse, porta-voz da FRELIMO, assegurou que tudo está preparado no seu partido para que a campanha decorra sem sobressaltos: "A FRELIMO vai continuar a fazer uma campanha muito civilizada, serena e com vivacidade. Vai, também, transformar o processo num momento de festa em que o resultado tem que ser a vitória”, disse. Recorde-se que o candidato do partido governamental obteve 44,5% dos votos na primeira volta em 24 de janeiro.

RENAMO não divulga estratégia

Mosambik Renamo Kandidat Paulo Vahanle

O candidato da RENAMO Paulo Vahanle

O representante da RENAMO, Paulo Vahanle reuniu 40 por cento dos votos. O seu partido diz-se, também, preparado. Inácio João Reis, chefe do Departamento Nacional de Mobilização, afirmou: "A RENAMO está preparada porque é um partido que ganha por realidade. Portanto estamos confiantes que vamos ganhar na segunda volta”. Reis apelou para os munícipes no sentido de irem votar, na esperança de inverter o resultado da primeira volta. "Nós Já traçámos as nossas estratégias. Não posso avançar quais são, senão seremos copiados”, acrescentou.

A RENAMO inicia a presente campanha mais confiante ainda pelo apoio que tem vindo a receber dos partidos derrotados na votação passada, nomeadamente o Movimento Democrático de Moçambique (MDM) e o Partido Humanitário de Moçambique (PAHUMO).

Partidos derrotados apelam para voto na RENAMO

Vasco Napaua, delegado provincial do MDM em Nampula, diz que vai "orientar os seus membros e simpatizantes para depositarem o seu voto no dia 14 de Março ao candidato da RENAMO, Paulo Vahane”. Diz ainda que vai apelar aos munícipes que participem na campanha e na votação duma forma "democrática e livre das amarras materiais”.

Vitorino Raque, delegado provincial do PAHUMO, em Nampula, explica que "olhando os manifestos, a Comissão Politica Provincial chegou á conclusão que o Partido Humanitário de Moçambique vai apoiar o candidato da RENAMO, Paulo Vahanle. Queremos a partir de já mobilizar os nossos simpatizantes", disse.

Polícia atenta a distúrbios

Mahamudo Amurane, Bürgermeister von Nampula sagt, er ist kein Mitglied der MDM-Partei mehr

O assassínio do edil Mahamudo Amurane tornou necessárias as intercalares em Nampula

Os apoios ao candidato da RENAMO multiplicam-se. O recém-criado Partido Liberal para o Desenvolvimento Sustentável (PLDS), constituído pelos membros do Projeto Político Mahamudo Amurane, também garantiu os votos a Paulo Vanhanle, segundo o líder Abdulremane Andarusse: "A luta principal é pela mudança. Então nós apoiamos qualquer partido que apresente planos de mudanças. E, neste momento, o único e que apoiamos claramente é a RENAMO”, disse.

Em Nampula a Polícia da República de Moçambique avisa que não dará tréguas a quem perturbe a ordem pública durante a campanha eleitoral. Segundo o porta-voz da polícia em Nampula, Zacarias Nacute: "Iremos intensificar as nossas ações, uma vez que, tratando-se de uma campanha eleitoral, são momentos críticos em termos de desestabilização da ordem e tranquilidade púbicas. A polícia vai garantir que este processo decorre na maior tranquilidade”.

A campanha eleitoral para a primeira volta em Janeiro ficou marcada pelo assassínio de Buana Agostinho Buana, membro do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), quando colava panfletos. As eleições intercalares tornaram-se necessárias por causa do assassínio do edil de Nampula, Mahamudo Amurane, em outubro. Ambos os crimes continuam por esclarecer.

Assistir ao vídeo 00:57
Ao vivo agora
00:57 min

Protestos no adeus ao edil de Nampula

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados