Angola tem nova lei de investimento estrangeiro | NOTÍCIAS | DW | 20.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Angola tem nova lei de investimento estrangeiro

Empresas estrangeiras já podem fazer investimentos em Angola sem recorrer a sócios angolanos. As novas leis da concorrência e do investimento privado foram aprovadas esta quinta-feira (19.04) no Parlamento.

A Assembleia Nacional aprovou, por unanimidade, a Lei da Concorrência que visa quebrar o monopólio existente. O diploma vai penalizar os infratores, estando previstas punições que vão até 10% do volume de negócios do último ano para as empresas incumpridoras das regras da concorrência. 

O governo angolano criou ainda a Autoridade Reguladora da Concorrência (ARC), que irá trabalhar exclusivamente na aplicação da nova lei.

Foi igualmente aprovada a Lei de Investimento Privado. A novidade reside na exclusão da obrigatoriedade dos estrangeiros cederem participações societárias no capital social das suas empresas. A lei anterior obrigava os nacionais a ter uma participação de pelo menos 35% no capital social das empresas estrangeiras que pretendem operar em Angola.

A reforma vai permitir que empresas estrangeiras invistam no país sem a obrigatoriedade de terem um sócio nacional. O objectivo é conseguir aumentar a captação de Investimento Directo Estrangeiro (IDE).

Nova lei gera expetativas

O deputado da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) Alcides Sakala diz que é preciso transformar o investimento privado na alavanca da economia nacional que se encontra "doente" e "trucidada por um endividamento púbico excessiv", diz.

Ouvir o áudio 03:09

Angola tem nova lei de investimento estrangeiro

Temos desempenho negativo na maior parte das empresas públicas e privadas, dilaceradas pelo desemprego, pela acção nociva dos monopólios e cartéis, por outras palavras, mutilada pela má gestão, pela delapidação, pela corrupção institucionalizada o que tem tido ao longo dos anos o impacto muito negativo na vida das populações e na imagem do nosso país no plano internacional", afirma.  

Manuel Fernandes, da Convergência Ampla de Salvação de Angola Coligação Eleitoral (CASA-CE), diz que Angola deve melhorar o ambiente de negócios para atrair investimento privado estrangeiro. "É importante que aqueles que detêm o poder de administração central do Estado, trabalhem com o intuito de eliminar a burocracia", sublinha.

David Mendes, deputado independente da UNITA, chama a atenção para a necessidade de haver um sistema de justiça independente para que os empresários estrangeiros se sintam seguros ao fazerem o seu investimento em Angola. "Ninguém investe o seu dinheiro onde não tem certeza de que havendo conflitos terá um sistema sólido de proteção dos seus dinheiros", alerta.

Vicente Pinto de Andrade, do MPLA, o partido no poder, fala em otimismo num momento em que se deposita grandes expectativas quanto ao futuro de Angola.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados