Angola: Presidente e vice já entregaram declarações de bens | Angola | DW | 12.01.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Presidente e vice já entregaram declarações de bens

João Lourenço e Bornito de Sousa foram dos primeiros a entregar as declarações, segundo o procurador angolano. "Tinham de dar o exemplo", disse Hélder Pitta Grós. Ficam, assim, afastadas as dúvidas surgidas esta semana.

João Lourenço foi eleito nas eleições gerais de 23 de agosto de 2017

João Lourenço foi eleito nas eleições gerais de 23 de agosto de 2017

"Presidente e vice-presidente já apresentaram. E tinham de dar o exemplo, não faria sentido serem eles a não entregar. Pelo contrário, foram dos primeiros que fizeram a entrega das suas declarações", disse esta sexta-feira (12.01) o procurador-geral da República de Angola, questionado pelos jornalistas, à margem de uma cerimónia no Palácio Presidencial, em Luanda.

O Presidente João Lourençodisse na segunda-feira (08.01) que os membros do Governo fizeram já a entrega das respetivas declarações de bens, uma preocupação avançada publicamente pela Procuradoria-Geral da República (PGR). 

O chefe de Estado falava na sua primeira conferência de imprensa, com mais de uma centena de jornalistas de órgãos nacionais e estrangeiros, 100 dias após ter chegado à liderança do Governo.

Assistir ao vídeo 01:01

Paulo Inglês fala sobre expetativas em Angola

Na altura, sublinhou que a declaração de bens é entregue em envelope fechado. "Ninguém pode abrir o envelope, salvo por decisão de um tribunal, se alguém se meter em problemas e for parar à justiça. Aí, a sociedade saberá que bens é que esse membro do Governo declarou e quais são os que efetivamente ele detém", disse, questionado pelos jornalistas, mas sem se ter referido à sua situação, o que motivou vários comentários públicos na última semana.

Lei da Probidade Pública

Em causa está o artigo 27.º da Lei da Probidade Pública, de 2010, que obriga à entrega de uma declaração de bens por parte de titulares de cargos políticos, eleitos ou por nomeação, bem como dos magistrados judiciais e do Ministério Público, gestores da administração e local do Estado, das Forças Armadas Angolanas e de institutos, fundações ou empresas públicas.

A lei define que as declarações de bens, nas quais devem constar todos os bens, dinheiro, títulos e ações que possuiu no país e no estrangeiro, são atualizadas a cada dois anos, sendo a entrega obrigatória até 30 dias após a tomada de posse, sendo o procurador-geral da República o "fiel depositário" das mesmas.

"Estamos com uma atitude, posso dizer, educativa, de estar sempre a alertar os membros do executivo, e outros membros abrangidos, para entregarem as suas relações de bens. Portanto, não estamos passivos à espera que entreguem, nós também temos estado a fazer esse trabalho para que isso aconteça e não haja grandes problemas", disse o procurador.

A PGR emitiu em outubro um comunicado em que alertava para a necessidade de membros do executivo recém-nomeados, deputados e demais entidades sujeitas declararem o seu património, como é exigido por lei.  Na sequência da formação de novo Governo, a PGR considerou importante o cumprimento dessa lei, imperiosa para "prevenir e combater a corrupção e branqueamento de capitais".

Leia mais