Volkswagen anuncia investigação externa sobre casos de tortura no Brasil | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 03.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Volkswagen anuncia investigação externa sobre casos de tortura no Brasil

Montadora encarrega historiador alemão de apurar crimes supostamente cometidos pela empresa durante o regime militar brasileiro. Empresa é acusada de ter permitido a tortura de funcionários contrários à ditadura.

A montadora alemã Volkswagen anunciou nesta quinta-feira (03/11) que dará início a uma investigação externa para apurar uma possível colaboração com a ditadura militar no Brasil, de 1964 a 1985, após acusações de que a empresa teria permitido a tortura de funcionários críticos ao regime.

Em nota, a VW afirmou ter encarregado o historiador Christopher Kopper, professor na Universidade de Bielefeld, na Alemanha, de "esclarecer" o papel da empresa durante a ditadura.

Segundo o comunicado, as investigações terão início "o mais rápido possível" e, para isso, Kooper deve viajar em breve ao Brasil. O projeto deve levar cerca de um ano, acrescenta a nota, e a montadora garante que todos os resultados serão disponibilizados ao público.

"Queremos esclarecer os anos sombrios da ditadura militar e explicar o comportamento dos responsáveis [pela companhia] naquela época no Brasil e, se for o caso, na Alemanha", declarou Christine Hohmann-Dennhardt, membro do conselho da Volkswagen.

Em setembro do ano passado, uma série de sindicatos entrou com um pedido de abertura de inquérito civil contra a Volkswagen junto ao Ministério Público Federal (MPF), sob a acusação de violação dos direitos humanos dentro de suas fábricas em São Bernardo do Campo durante a ditadura.

Com base em documentos e relatos colhidos pela Comissão Nacional da Verdade (CNV), a ação judicial afirma que 12 ex-funcionários da montadora foram presos e torturados dentro das dependências da empresa na cidade paulista naquele período.

Em dezembro de 2014, um relatório da CNV afirmou que subsidiárias alemãs, incluindo a Volkswagen, colaboraram com o regime militar no Brasil por volta de 1972. O documento revelou a existência de um aparato repressivo militar-empresarial, no qual as firmas monitoravam funcionários, repassando informações e fazendo denúncias ao Departamento de Ordem Política e Social (Dops).

"Estava trabalhando e chegaram dois indivíduos com metralhadora, encostaram nas minhas costas, já me algemaram. Na hora em que cheguei à sala de segurança da Volkswagen já começou a tortura, já comecei a apanhar ali, comecei a levar tapa, soco", contou Lúcio Bellentani, funcionário da Volkswagen de São Bernardo do Campo. O caso ocorrido em 1972 foi descrito no relatório da CNV.

EK/dw/afp/ap/dpa

Leia mais