Turquia vive momento de instabilidade | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 28.07.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Turquia vive momento de instabilidade

Tribunal julga possível proibição do partido do premiê turco Erdogan. Medida é vista pela UE como intromissão exacerbada da Justiça na vida política. País vive momentos de inquietação após atentado em Istambul.

default

Manifestantes contra partido do governo: UE não aprova julgamento do AKP

Poucas horas antes do início do julgamento acerca de uma possível proibição do AKP (Partido pela Justiça e Desenvolvimento) na Turquia, um atentado deixou em Istambul um saldo de 17 mortos e mais de 150 feridos.

Embora um porta-voz do partido curdo PKK tenha negado qualquer participação no atentado, políticos acreditam que a organização possa estar envolvida no caso. Segundo as autoridades locais, não há ainda provas da autoria do atentado.

Frank-Walter Steinmeier EU-Vertrag Krisengipfel

Frank-Walter Steinmeier, ministro alemão do Exterior

O ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, declarou sua solidariedade ao governo turco diante do atentado com vítimas fatais. As bombas explodiram no subúrbio de Gungoren, em Istambul.

Problemas antigos

Não é recente a aversão que o partido islâmico-conservador do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, desperta em seu país. Uma das principais acusações da Procuradoria Geral é a de que o AKP do atual premiê estaria "enterrando o laicismo" na Turquia, ao tentar implementar uma "república islâmica", colocando em risco os "fundamentos seculares" do Estado.

A Promotoria reivindica não somente a dissolução do partido, como também a proibição de ação de 71 políticos de suas fileiras hoje atuantes no governo, entre estes o primeiro-ministro Erdogan e o presidente Abdullah Gül.

Religião e Estado

Ministerpräsident Recep Tayyip Erdogan

Recep Tayyip Erdogan, premiê turco: partido sob risco de proibição

Erdogan e seus correligionários fundaram o AKP a partir das bases de outros partidos de fundamento islâmico, proibidos anteriormente no país. Vários de seus adversários acreditam que se a Justiça decidir por uma proibição do AKP, o atual premiê já tem todas as artimanhas preparadas para a fundação de um próximo partido, também fundado em princípios islâmicos.

Uma das principais provas dos opositores de Erdogan de que seu partido vem implementando medidas que vão contra a separação entre religião e Estado – preceito estabelecido pela Constituição do país – é a aceitação do uso do véu muçulmano pelas mulheres nas universidades. Com votos dos deputados do AKP e do partido nacionalista MHP, o Parlamento turco aprovou em fevereiro último a permissão do controverso uso do véu, anteriormente proibido no país.

Postura da UE

EU Beitritt Türkei: Emfpang für Erdogan

Manifestantes pró-UE na Turquia: julgamento não é visto com bons olhos pelo bloco

"A insegurança do cenário político afasta investidores estrangeiros, que apostam nas reformas de Erdogan e numa aproximação do país com a União Européia", escreve o semanário alemão Die Zeit.

A posição da União Européia é de oposição ao processo judicial, que visa tornar ilegal o partido do governo na Turquia, por ver tal medida como uma intervenção injustificada do Judiciário na vida política do país.

O presidente da Comissão Européia, José Manuel Barroso, fez há poucos meses severas críticas à iniciativa da Justiça turca de abrir um processo contra o AKP. "Isso poderá ter conseqüências negativas para a avaliação da Turquia por parte da UE", advertiu Barroso em abril último, referindo-se às negociações sobre o ingresso do país no bloco.

"Não vejo justificativa para o caso", declarou na época o comissário de Ampliação da UE, Olli Rehn. "Nos países-membros da União Européia, questões políticas como as abordadas nesse processo são debatidas pelo Parlamento e decididas nas urnas, não em tribunais", concluiu o comissário.

Leia mais