1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Tanques israelenses acertam escola com refugiados em Gaza

Ao menos 15 pessoas morrem no ataque e cerca de 90 ficam feridas. Escola das Nações Unidas abrigava palestinos em fuga do conflito entre Hamas e Israel.

default

Fumaça é vista sobre a Faixa de Gaza depois de um ataque israelense

Tanques de guerra israelenses bombardearam nesta quarta-feira (30/07) mais uma escola da ONU usada para abrigar refugiados na Faixa de Gaza, deixando ao menos 15 mortos e 90 feridos, segundo o porta-voz dos serviços de emergência em Gaza, Ashraf al-Qedra, e a UNRWA, agência da ONU para os refugiados palestinos.

O ataque aconteceu após o encerramento do dia mais mortífero para os palestinos desde o início da atual ofensiva israelense, no dia 8 de julho, com ao menos 128 mortes registradas. O número total de mortos do lado palestino chega a 1.258, com mais de 7.100 feridos, segundo Al-Qedra. Israel perdeu 53 soldados e três civis.

Os primeiros tiros de tanque atingiram a escola Abu Hussein, no campo de refugiados Jabalia, durante a madrugada, por volta de 4h30min (22h30min de terça em Brasília), disse Adanan Abu Hasna, porta-voz da agência da ONU para refugiados. O órgão abriga milhares de pessoas desalojadas pelo conflito em dezenas de escolas da ONU em Gaza. O Exército de Israel disse que vai investigar o caso.

Duas horas após o ataque, centenas de pessoas ainda vagavam pelo pátio, confusas e aos prantos. Aishe Abu Darabeh, de 56 anos, estava sentada no chão com parentes a apenas alguns metros das duas salas de aula atingidas. "Para onde nós iremos? Para onde nós iremos agora? Nós fugimos e eles estão nos seguindo", desabafou, segundo a agência de notícias AP.

Diante do novo ataque, Abu Hasna apelou à comunidade internacional. "O mundo tem a responsabilidade de nos dizer o que fazer com as mais de 200.000 pessoas que estão dentro das nossas escolas achando que a bandeira da ONU vai protegê-las. O incidente de hoje prova que nenhum lugar é seguro em Gaza", disse o porta-voz da agência de refugiados.

Na quarta, o Exército de Israel afirmou ter bombardeado 75 locais, incluindo cinco mesquitas que seriam utilizadas por militantes do grupo radical islâmico Hamas. Desde o início do atual conflito já foram mais de 4 mil os alvos atingidos, um terço deles conectados com a capacidade do Hamas em lançar mísseis, segundo os militares. Também já foram descobertos 32 túneis usados pelos extremistas para atacar Israel.

IP/ap/dpa/lusa

Leia mais