1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Dilma chama ofensiva israelense em Gaza de massacre

Na sequência de atritos diplomáticos entre Brasil e Israel, presidente lamenta morte de civis palestinos e apoia cessar-fogo imediato pedido pela ONU. "Não é possível matar crianças e mulheres, de jeito nenhum."

A presidente Dilma Rousseff condenou, nesta segunda-feira (28/07), a ofensiva militar de Israel contra a Faixa de Gaza, afirmando que Israel promove um massacre ao atingir a população civil. "Não é possível matar crianças e mulheres, de jeito nenhum", disse.

"Não acho que é genocídio, mas acho que é um massacre. Tem uma ação desproporcional", declarou durante uma sabatina organizada pelo jornal Folha de S.Paulo, o portal UOL, o SBT e a Rádio Jovem Pan no Palácio da Alvorada. "Sabemos que, numa guerra como essa, quem paga são os civis", reforçou.

Dilma também criticou a postura do porta-voz do ministério do Exterior de Israel, Yigal Palmor, que, segundo o jornal Jerusalem Post, chamou o Brasil de anão diplomático. "Lamento as palavras do porta-voz, pois produzem um clima muito ruim. Deveríamos ter cuidado com as palavras."

A reação israelense veio após o Itamaraty publicar duas notas sobre a crise em Gaza, a última delas condenando "o uso desproporcional da força por Israel".

A presidente, porém, negou que haja uma crise diplomática com Israel e lembrou que o Brasil foi o primeiro país a reconhecer o Estado judeu. Segundo Dilma, o Brasil defende a existência tanto do Estado de Israel quanto de um Estado palestino.

A presidente elogiou a posição do Conselho de Segurança da ONU, que pediu na madrugada desta segunda-feira uma "trégua humanitária imediata e incondicional" na Faixa de Gaza. "A decisão da ONU de exigir um cessar-fogo imediato é muito bem-vinda, pois é uma situação que não dá para continuar", avaliou.

Mais de 1.100 palestinos e 53 soldados israelenses morreram durante três semanas de violência na região, desde que Israel lançou sua ofensiva com objetivo de deter o grupo radical islâmico Hamas.

LPF/abr/afp/rtr