1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Relatório da CNV revela caso de tortura em fábrica da Volkswagen

Funcionário da empresa foi torturado em São Bernardo do Campo. Na Alemanha, Volkswagen lamenta o ocorrido e afirma que vai investigar o caso. CNV investigou a repressão aos trabalhadores e a cooperação das empresas.

"Estava trabalhando e chegaram dois indivíduos com metralhadora, encostaram nas minhas costas, já me algemaram. Na hora em que cheguei à sala de segurança da Volkswagen já começou a tortura, já comecei a apanhar ali, comecei a levar tapa, soco", contou Lúcio Bellentani, funcionário da Volkswagen de São Bernardo do Campo, à Comissão Nacional da Verdade (CNV).

O caso que ocorreu em 1972 foi descrito no relatório final da CNV, a qual investigou violações de direitos humanos cometidas durante o regime militar no Brasil. No documento de mais de 3 mil páginas, um capítulo é dedicado às violações contra trabalhadores, e outro mostra a cooperação de empresas com o regime.

O relatório revela a existência de um aparato repressivo militar-empresarial, na qual as firmas monitoravam funcionários, repassando informações e fazendo denúncias ao Departamento de Ordem Política e Social (Dops). Além disso, indica empresas que contribuíram moralmente e financeiramente com o golpe de 1964 e com a Operação Bandeirante (Oban), um aparelho de repressão montado pelo Exército.

"É importante ter em vista que as práticas colaborativas mencionadas constituíram caminhos cotidianos para as graves violações. Foi a partir do controle, vigilância, monitoramento, das listas sujas e das delações, que trabalhadores foram presos, torturados, assassinados e vítimas de desaparecimentos forçados", afirma o documento.

Delações e criminoso nazista

Várias empresas nacionais e multinacionais são citadas no relatório. Entre as alemãs estão a Volkswagen, Mercedes-Benz e Siemens. As três são apontadas por contribuir com recursos à Oban.

Bildergalerie Brasilien 60 Jahre VW

Relatório mostra indícios de colaboração da montadora com regime militar brasileiro

O documento, no entanto, apresenta com mais detalhes a participação da Volkswagen e sua contribuição com o regime militar: "Sobre a Volkswagen do Brasil, existe ainda uma profusão de documentos que comprovam a cooperação da empresa com órgãos policiais de segurança do Dops."

Além disso, o relatório traz a revelação do caso de tortura praticado dentro da fábrica em São Bernardo do Campo e da prisão do criminoso de guerra Franz Paul Stangl em 1967, enquanto ele trabalhava na mesma unidade da Volkswagen.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Stangl foi o comandante dos campos de extermínio Sobibor e Treblinka, na Polônia. O nazista chegou ao Brasil em 1951 e depois de alguns anos foi contratado pela Volkswagen, onde era o responsável pela montagem do setor de vigilância e monitoramento da fábrica em São Bernardo do Campo, segundo o documento da CNV.

Para a historiadora alemã Nina Schneider da Universidade de Constança, ainda não está esclarecido até que ponto a sede da Volkswagen na Alemanha sabia do envolvimento da filial no Brasil com o regime militar. "Isso ainda tem que ser apurado. Mas a Volkswagen alemã vai ter que lidar com esse caso, porque algumas pessoas pedem a responsabilização das empresas."

Volkswagen irá investigar

O diretor do departamento de Comunicação Histórica da Volkswagen na Alemanha, Manfred Grieger, disse à DW Brasil que a empresa irá investigar "todos os indícios de uma possível participação de funcionários da Volkswagen do Brasil em violações de direitos humanos durante a ditadura militar", assim como identificar os responsáveis por esses atos.

"A Volkswagen lamenta muito que pessoas tenham sofrido ou tenham sido prejudicadas economicamente durante a ditadura militar, eventualmente, por meio da participação de funcionários da Volkswagen do Brasil", afirma Grieger.

Para o jornalista e ativista da ONG Centro de Pesquisa e Documentação Chile e América Latina Christian Russau, após a apresentação do relatório da CNV, a Volkswagen tem a obrigação de apurar os casos não somente no Brasil, mas também na Alemanha. Ele espera que a empresa apresente os resultados da investigação a toda sociedade.

"As pessoas atingidas naquela época precisam decidir se vão entrar na Justiça brasileira contra a empresa para pedir uma indenização. E, se o caso não for esse, a Volkswagen na Alemanha precisa decidir se vai assumir a responsabilidade pelo que a filial fez naquela época e, talvez, determinar uma forma de indenização aos atingidos ou construir um memorial às vítimas", explica Russau.

Leia mais