RADICAIS DE DIREITA USAM O FUTEBOL PARA DIVULGAR SUA IDEOLOGIA | Escreva sua opinião, comentários, críticas ou sugestões | DW | 12.11.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Sua Opinião

RADICAIS DE DIREITA USAM O FUTEBOL PARA DIVULGAR SUA IDEOLOGIA

Esta semana nossos leitores comentaram sobre futebol e grupos neonazistas, situação no Oriente Médio, União Europeia e crise na Grécia, o 9 de novembro na Alemanha e a cúpula do G20 em Cannes.

default

A existência de grupos neonazistas na atualidade é um completo absurdo. Contudo, assiste-se nos últimos tempos, mundo afora, a eclosão de movimentos conservadores, de cunho nacionalista, muitas vezes associados a grupos religiosos, que têm se aproveitado da perseguição às minorias para se promoverem politicamente e se apropriarem das estruturas do Estado. No Brasil, país onde a hipocrisia reina, ocorrem diariamente casos de agressão contra homossexuais, mulheres e negros, sem que haja a devida punição. De forma particular, os meios de comunicação brasileiros pouco colaboram para o fim deste ciclo, quase sempre vinculando as minorias a estereótipos. Portanto, há ainda muito ainda a ser feito, para que superemos a barbárie à qual somos submetidos.
Raphael Fernandes

O futebol sempre foi e será o ópio do povo, a válvula de escape para frustrações. É claro que os grupos radicais de direita, que não são nada burros, usam a ingenuidade, a frustração e a falta de informação do povo para seus objetivos nefastos. É necessário um trabalho sistemático e constante junto às torcidas organizadas para evitar que esses grupos continuem usando o futebol e manipulando os torcedores.
Fábio Constantini

Não é só na Alemanha que podemos observar esse tipo de coisa. Também aqui no Brasil constatamos uma brutalidade crescente nos grupos de torcidas organizadas. Já não está sendo aconselhável levar a família para ver uma partida de futebol no fim de semana. Será que vão conseguir acabar com esse divertimento que nós, os pobres, ainda podemos ter?
José Carlos Souza

ISRAEL DISCUTE EVENTUAL ATAQUE CONTRA O IRÃ

Israel não quer mudar sua política irracional em relação ao Estado palestino e com isso cria combustível para desavenças de priscas eras. Querem levar o mundo a uma guerra insana. Judeus e árabes, os dois irmãos, não aprenderam nada com a história.
Jango Paulo

A situação no Oriente Médio está mais complicada do que nunca. É necessário conter o regime iraniano e sua tentativa de desenvolver armas nucleares, pois não creio que os aiatolás pretendam fazer uso pacífico da energia atômica. Porém, qualquer atitude precipitada de Israel pode causar um desastre de grandes proporções, um verdadeiro rastilho de pólvora. Assim, espero que a sensatez predomine neste caso.
Raphael Fernandes

E perfeitamente justificável e já passada da hora uma intervenção militar no Irã, se for analisado de todas as formas é facilmente comprovável que querem destruir Israel, embora, como já disse há anos Shimon Peres, sabiamente, não existe Oriente Médio sem Israel.
Eliseo Jaime Kullock

CRISE NA GRÉCIA E REUNIÃO DO EUROGRUPO EM BRUXELAS

Qual seria então a saída para a crise? O primeiro-ministro grego já caiu ao tentar envolver a população na decisão. Porém, uma democracia consolidada, como a da Grécia, não aceitará passar por medidas austeras que, além de causar insatisfação generalizada, desemprego e tudo o mais, farão com que a recuperação dure anos, quem sabe uma década perdida, como ocorreu com a América Latina nos anos 80 e 90, com as medidas impostas pelo FMI. Não é a hora de mudar o conceito de ajuda financeira, de forma a não fazer com que o povo sofra tanto?
Hanik

A zona do euro superará a crise? Não. Não com essas medidas descabidas que os ministros da zona do euro estão impondo às populações dos países enfraquecidos. Ela só vai enfraquecer mais os Estados, e consequentemente os povos destes Estados, e vai facilitar mais a concentração de riquezas nas mãos de uma minoria. Essa história de Estado mínimo... fortalecimento de empresas (multinacionais... trans...), custe o que custar, precisa acabar o quanto antes. O neoliberalismo já durou demais. Ou não?
Irene Angeli

Simplesmente não compreendo o que se passa entre os gregos. O partido Aliança Democrática, responsável pelo encobrimento do rombo das finanças da Grécia, retorna ao poder, inclusive com perspectivas de vitória nas próximas eleições. Enquanto isso, o primeiro-ministro George Papandreou é obrigado a abandonar o governo, por querer consultar a população de seu país sobre a aplicação de medidas recessivas numa economia já combalida, em troca do desconto de uma dívida irreal, baseada nos ganhos dos grandes bancos da zona do euro. Me parece que aos banqueiros nada se passa, pois o pagamento será realizado, seja através do sacrifício feito pelos gregos (que passam a perder uma série de direitos sociais frente ao aumento de impostos), seja através do auxílio empenhado por cidadãos alemães, franceses e de outros países da União Europeia, que deveram cobrir o rombo por agora.
Raphael Fernandes

HISTÓRIA ALEMÃ É MARCADA PELO 9 DE NOVEMBRO

Essa data deve ser lembrada e comemorada para sempre pelo povo germânico como um marco para a liberdade e a unificação de uma grande nação!!!
Luís Hipolito

PAÍSES EMERGENTES SAEM FORTALECIDOS DA CÚPULA DO G20 EM CANNES

Está na hora de o antigo denominado Primeiro Mundo ter um pouco mais de humildade. Os chamados países emergentes, entre os quais o Brasil, demonstram a sua pujança na economia, aliada a um crescente fortalecimento de suas democracias. Lula deu o seu exemplo ao mundo, na condição de chefe de Estado sempre simples, sem ser servil. Agora a nossa presidente Dilma Rousseff nos enche de orgulho!
Mario Alberto Dantas

Tremenda enganação o que a presidente Dilma falou sobre emprestar dinheiro para os europeus. O Brasil está sem hospitais, sem escolas, não tem dinheiro para construir presídios e equipar a polícia para os milhões de ladrões e assassinos que assolam o Brasil (dados da ONU mostram que o Brasil é o país mais violento do mundo, com média de 50.000 assassinatos de jovens por ano). O Brasil não tem estradas suficientes para escoar a própria produção, não tem sistema ferroviário, não tem saneamento básico nas ruas, os rios e lagos estão mortos de tanta poluição, as Forças Armadas não têm dinheiro para se equipar e o governo anterior destruiu a indústria nacional (a cada semana fecham mais indústrias brasileiras, praticamente o parque industrial do Brasil está se desmontando) para dar lugar às empresas chinesas. Emprestar que dinheiro e para quem? Pelo jeito só o pessoal que trabalha para o governo do Brasil vai investir e ganhar este dinheiro.
Cristiane Vallim

Leia mais