Paz está próxima, afirma presidente colombiano | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 05.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Paz está próxima, afirma presidente colombiano

Após reunião com opositores do acordo de paz assinado entre o governo e as Farc, Santos se mostra otimista. Encontro estabelece criação de comissões para analisar propostas da oposição e resolver impasse.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, expressou otimismo nesta quarta-feira (05/10), após uma reunião com líderes da oposição ao acordo de paz assinado entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), incluindo o ex-presidente Álvaro Uribe.

"A paz na Colômbia está próxima e nós vamos alcançar uma paz estável, duradoura e com um apoio mais amplo dos cidadãos", disse Santos.

Na reunião, foi estabelecida a criação de comissões para tratar de questões que os opositores rejeitaram no acordo e buscar uma solução para o impasse. "Ouvimos durante quatro horas com muita atenção as suas preocupações. Todas elas e outras que não foram abordadas serão analisadas", disse Santos.

O presidente ressaltou que pretende atender as propostas de ajuste ao acordo o máximo possível. Ele acrescentou que a decisão procura não só encontrar um caminho para estabelecer a paz, mas sim fortalecê-la.

Uribe também avaliou positivamente o encontro e disse que Santos está disposto a fazer mudanças. "É melhor conseguir a paz para todos os colombianos do que um acordo somente para a metade da população", acrescentou.

O ex-presidente solicitou ainda que a ONU continue acompanhando o processo de paz no país. "Pedimos que as Nações Unidas acompanhem esta nova etapa da democracia colombiana, porque o resultado de domingo rejeitou o acordo, mas reafirmou o desejo unânime de paz", declarou.

A opção pelo "não" foi a vencedora no plebiscito de domingo sobre o acordo de paz com as Farc, com 6.431.376 votos, 50,21% do total, enquanto o "sim" obteve 6.377.482, que correspondem a 49,78%.

CN/efe/rtr/afp

Leia mais