1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Parlamento do Chipre rejeita pacote de resgate europeu

Por grande maioria, deputados barram controverso imposto bancário, que já abala mercados financeiros e confiança na União Europeia.

O Parlamento do Chipre barrou nesta terça-feira (19/03), por grande maioria, as condições impostas pela zona do euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI) para a concessão de um resgate financeiro ao país. Após debate acalorado, 36 dos 56 deputados rejeitaram todas as medidas envolvidas, inclusive o controverso imposto sobre as contas bancárias. Um parlamentar não estava presente, e 19 outros se abstiveram.

A rejeição já se esboçava logo após o fechamento do pacote de resgate pelos países do grupo do euro – inclusive o próprio Chipre – no último fim de semana, em Bruxelas. Diante da resistência crescente da população e de políticos, a votação no Parlamento chegou a ser adiada várias vezes.

A taxação compulsória tem como objetivo arrecadar 5,8 bilhões de euros, e é a condição imposta pelos demais países da zona de moeda única e pelo FMI para a concessão de créditos no valor de 10 bilhões de euros ao Chipre.

Ameaça de falência

Poucas horas antes da votação no Parlamento, o recém-eleito presidente cipriota, Nikos Anastasiades, já havia dito não acreditar que os deputados fossem apoiar os seus planos. "Eles pensam que é injusto e contra os interesses do Chipre", alertara.

Zypern Parlament lehnt Zwangsabgabe ab 19.03.2013

"Chipre diz 'não'"

Os protestos em massa já haviam levado o chefe de Estado conservador a minimizar o impacto da medida: em vez de ser aplicada a todos os correntistas, ela só afetaria aqueles com mais de 20 mil euros no banco.

No entanto, isso não bastou para conquistar a aprovação dos parlamentares. Durante o debate, vários deles afirmaram ser "uma questão de honra dizer 'não'". Ao mesmo tempo, do lado de fora do Parlamento, um grupo protestava: "Salvem os cidadãos, não os bancos!" e "não vamos ser os escravos do século 21!", eram algumas das frases gritadas. Um jovem manifestante empregou uma imagem drástica: "Eles nos dão a opção de nos suicidarmos ou sermos fuzilados".

O anúncio da taxação causou indignação internacional, sobretudo na Rússia e na Ucrânia, países que têm bilhões investidos no Chipre. Mesmo nos mercados financeiros, a medida é considerada uma quebra de tabu, podendo aniquilar os progressos no combate à crise de endividamento na zona do euro. O anúncio chegou a afetar negativamente as cotações em Wall Street nesta terça-feira – tendência reforçada pelos boatos de que o ministro das Finanças do Chipre, Michael Sarris, estaria cogitando renunciar.

Referindo-se ao inesperado imposto, o empresariado cipriota falou em "genocídio financeiro". Os bancos do país permanecerão fechados no mínimo até esta quarta-feira. Mesmo assim, o banco central teme uma incontrolável onda de retiradas.

Agora, após a decisão do Parlamento, a imprensa europeia se refere ao Chipre como estando "preso na armadilha" ou "à beira do abismo", podendo se tornar o primeiro país da união monetária europeia a entrar de fato em falência.

AV/dpa/rtr

Leia mais