1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Obama promete a Merkel apoio "substancial" na crise de refugiados

Em telefonema, líderes dos Estados Unidos e da Alemanha concordam em cooperar em busca de uma solução política para o conflito na Síria e no auxílio aos milhões de afetados pela guerra no país.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu à chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, nesta quinta-feira (21/01), apoio "substancial" para amenizar a crise de refugiados no Oriente Médio e na Europa, segundo o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert.

O porta-voz afirmou que Obama e Merkel conversaram por telefone sobre os objetivos de uma conferência de doadores internacionais que visa angariar fundos para refugiados sírios, prevista para acontecer em Londres no próximo dia 4 de fevereiro.

"O presidente prometeu que o governo americano contribuirá substancialmente", disse Seibert em comunicado.

Obama e Merkel concordaram também que a crise na Síria só poderá ser resolvida com uma solução política. "Os dois líderes se comprometeram a trabalhar juntos nos próximos meses para proteger e auxiliar as milhões de pessoas cujas vidas foram transformadas pela guerra", ressaltou a Casa Branca.

A chanceler federal alemã vem enfrentando pressão interna em relação à imposição de um limite para o número de refugiados que o país receberá neste ano – medida que a líder rejeita com veemência. Em 2015, cerca de 1,1 milhão de requerentes de asilo chegaram à Alemanha, o que impactou diretamente a popularidade de Merkel e o apoio a ela dentro da coalizão de governo.

A crise migratória também foi tema no Fórum Econômico Mundial, em Davos, nesta quinta-feira. Alguns representantes de países europeus disseram que o futuro da União Europeia (UE) pode estar ameaçado, caso não seja definida uma abordagem comum para lidar com a crise de refugiados e os desafios em termos de segurança.

Embora tenha prometido uma "redução mensurável" no número de migrantes que chegará ao bloco neste ano, Merkel se recusa a definir um teto para o número de refugiados no país. Tal medida exigiria o fechamento das fronteiras alemãs, argumenta.

Em vez disso, a líder da Alemanha tenta convencer seus parceiros europeus a implementarem um sistema de cotas para a distribuição dos refugiados no bloco. Ela também

liderou uma campanha na UE

para convencer a Turquia a manter em seu território sírios que fugiram para o país.

O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, afirmou ser necessária a transferência de "bilhões de euros" para países que fazem fronteira com a Síria. A Europa precisa perceber que solucionar a crise migratória custará "muito mais" que o previsto, ressaltou.

CN/rtr/ap

Leia mais