1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

No Recife, um retrato do surto de microcefalia

Capital pernambucana registrou série de casos suspeitos da malformação, possivelmente ligados ao zika e com graves consequências para as famílias afetadas. Pobreza e falta de instrução favorecem propagação do vírus.

default

Segundo a médica Angela Rocha, a situação socioeconômica da cidade oferece condições ideais para a proliferação do vírus

No bairro do Ibura, no Recife, Gleyse Kelly embala a filha Maria Giovanna, de apenas três meses. "Meu maior medo era que ela não conseguisse andar nem falar", diz a mãe, enquanto amamenta a primeira menina da família, sentada no sofá da modesta casa em que vivem. Maria Giovanna nasceu com microcefalia.

Bebês que nascem com a malformação têm o perímetro da cabeça menor que a média e sofrem danos cerebrais mais ou menos graves, os quais geralmente causam problemas de desenvolvimento e dificuldade de aprendizado e, em alguns casos, até a morte. Gleyse descobriu o problema no sétimo mês de gravidez.

"Espero que ela seja capaz de estudar. Ela é como qualquer outra criança, só que tem a cabeça menor", diz a mãe. Para ela, a única diferença entre Maria Giovanna e seus outros três filhos, quando tinham a mesma idade, é que a menina não reage bem à mamadeira.

Gleyse está otimista sobre o futuro da filha, mas especialistas dizem ser bem provável que Maria Giovanna necessite de cuidados em tempo integral pelo resto da vida. Isso significaria um imenso desafio para a mãe, que recebe apenas 1.000 reais por mês trabalhando num posto de pedágio, e 100 reais do governo em benefícios para a criança. O marido está desempregado.

Apesar da correlação entre o vírus zika e o aumento dos casos de microcefalia no Brasil ainda não ter sido cientificamente comprovada, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou emergência sanitária internacional diante do surto da malformação e de outras complicações neurológicas registradas no país, possivelmente ligadas ao agente infeccioso.

Desde o início de 2015, o Brasil contabilizou mais de 4 mil casos suspeitos de microcefalia, contra 150 em 2014. A maioria das infecções por zika foi registrada nos estados da região Nordeste – quase um terço deles no Recife.

A principal teoria para a origem da epidemia é a de que o vírus tenha sido trazido por turistas durante a Copa do Mundo de 2014. Uma vacina deve levar anos para ser desenvolvida, e, portanto, especialistas acreditam que hoje a melhor forma de combate à doença seja acabar com os focos de reprodução do mosquito que a transmite, o Aedes aegypti.

Condições ideais para proliferação do zika

No entanto, em bairros pobres como Ibura, onde Gleyse mora, as casas são informais, a coleta de lixo é esporádica, e a população local tem nível de instrução baixo. A médica Ângela Rocha, chefe do serviço de infectologia pediátrica do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, no Recife – onde os primeiros sinais do surto foram detectados –, diz que a situação socioeconômica precária da capital pernambucana oferece condições ideais para a proliferação do vírus.

Brasilien Bekämpfung Zika Virus

Agentes de saúde instruem moradores sobre como evitar o Aedes aegypti, melhor arma contra o zika no momento

Em Coqueiral, outro bairro do Recife, agentes de saúde distribuem panfletos para os moradores e instruem sobre como evitar o mosquito transmissor do vírus. Soldados trabalham com os agentes para eliminar possíveis larvas de mosquitos, que se proliferam na água que resta da chuva dentro de pneus e outros recipientes. Quando questionado sobre por que deixou o pneu do lado de fora da casa durante a época de chuvas, um morador responde: "Esqueci."

Numa das casas do bairro, uma mulher de meia idade diz que todos na sua família já tiveram dengue, que também é transmitida pelo Aedes. Agentes de saúde lhe disseram que, se não for esvaziada logo, a piscina de plástico das crianças no quintal da casa vai permitir que as larvas se proliferem.

Autoridades do Recife afirmam que a atual crise econômica brasileira é mais um obstáculo para o combate ao vírus e que pedidos de recursos emergenciais feitos ao governo federal não foram atendidos. O secretário de Saúde da cidade, Jailson Correia, diz que 29 bilhões de reais foram solicitados e que, até o momento, 1,3 bilhão foi recebido. "O vírus zika é muito sério. É a maior ameaça de saúde pública que enfrentamos na história recente", afirma.

Zika, gravidez e aborto

Ativistas pediram ao Supremo Tribunal Federal (STJ) uma flexibilização das leis de aborto no país – permitido apenas em caso de estupro. O objetivo é que mulheres grávidas de bebês com microcefalia sejam autorizadas a abortar. A iniciativa causou revolta nas redes sociais. Gleyse participa ativamente das discussões, postando mensagens contra o aborto.

A OMS aconselhou gestantes que pretendessem viajar para o Brasil e mulheres que vivem em áreas de incidência do zika a consultarem profissionais de saúde. Enquanto o Brasil se prepara para o Carnaval e para os Jogos Olímpicos, autoridades do país minimizam os eventuais impactos negativos do surto do vírus no turismo, mas não descartam que o setor possa sofrer algum efeito.

Reunida com a família na sala da casa, Gleyse responde mensagens no celular enquanto embala Maria Giovanna. Ela sorri e diz: "Meu maior medo era que ela morresse depois do parto."

Leia mais