1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

No Congresso dos EUA, papa pede solidariedade com refugiados

Pontífice lembra que os Estados Unidos foram formados por imigrantes e afirma que é necessário tratar os refugiados com compaixão. Ele também pede "ações corajosas" contra as mudanças climáticas e o fim da pena de morte.

Em pronunciamento histórico no Congresso dos Estados Unidos nesta quinta-feira (24/09), o papa Francisco pediu solidariedade com refugiados e migrantes que procuram um futuro melhor. "Muitos de nós fomos um dia estrangeiros. Muitos de vocês são descendentes de imigrantes", afirmou o pontífice aos congressistas.

No primeiro discurso de um papa no Capitólio, Francisco disse que o princípio cristão da compaixão deve ser usado na atual crise dos refugiados. "Devemos tratar o outro com a mesma paixão e compaixão com que gostaríamos de ser tratados e dar aos outros as mesmas possibilidades que procuramos para nós mesmos", disse o papa.

"Não devemos ficar espantados com a sua quantidade, mas vê-los como pessoas, olhá-los no rosto e ouvir suas histórias. Temos que responder da melhor maneira possível a essa situação", disse Francisco, ressaltando a necessidade de oferecer segurança e oportunidades aos requerentes de asilo.

O papa também pediu que os EUA se empenhem "no longo prazo" na redução do comércio de armas. "Temos que nos perguntar: por que armas são distribuídas aos que querem prejudicar inocentes? Infelizmente, a resposta, como todos sabemos, é apenas por dinheiro." Os Estados Unidos são o maior exportador de armas do mundo.

Francisco ainda defendeu o fim da pena de morte, tanto nos Estados Unidos como em outros países.

Cooperação

O discurso foi permeado por referências a quatro cidadãos americanos que, segundo o papa, promoveram a liberdade, a integração, a justiça social e o diálogo: Abraham Lincoln, Martin Luther King, Dorothy Day e Thomas Merton. Segundo Francisco, os congressistas devem agir com base nesses princípios.

O pontífice destacou que os parlamentares têm a "responsabilidade social" de defender a dignidade dos cidadãos americanos, principalmente, dos mais velhos e mais pobres. "Eu também sou filho desse grande continente, do qual recebemos tantas coisas e com o qual compartilhamos uma responsabilidade comum", afirmou, sendo interrompido por aplausos.

Francisco ressaltou que é necessário combater todas as formas de polarização num mundo com cada vez mais conflitos violentos. "Devemos estar atentos a qualquer tipo de fundamentalismo, religioso e de qualquer outro tipo", disse. "O grande desafio hoje é a renovação do espírito de cooperação, que tanto contribuiu para a história dos Estados Unidos."

Pobreza e meio ambiente

Como esperado, Francisco abordou em seu discurso as mudanças climáticas, uma das principais pautas da visita. O pontífice afirmou que os Estados Unidos devem tomar "ações corajosas" para proteger o meio ambiente.

"Não tenho dúvidas de que os Estados Unidos e o Congresso têm um papel importante a desempenhar. É tempo uma ação corajosa para implementar uma cultura de cuidado e integração de forma a dar dignidade aos excluídos e, ao mesmo tempo, proteger a natureza", afirmou.

Para isso, o papa disse que é necessário oferecer empregos aos jovens e colocar a tecnologia a serviço de "um novo tipo de progresso, mais humano e social".

Ao final do discurso, ele falou de uma sacada do Capitólio para a multidão reunida em frente ao edifício. O pontífice saudou o público em espanhol (Buenos dias!) e se despediu com a expressão God bless America (Que Deus abençoe a América).

Leia mais