Militares vão contribuir, mas não resolvem crise nos presídios, afirma ministro | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 18.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Militares vão contribuir, mas não resolvem crise nos presídios, afirma ministro

Governo coloca mil membros das Forças Armadas à disposição dos estados para realizar varreduras em prisões. "Não temos a menor ilusão de que apenas esses esforços venham a resolver essa questão", diz Jungmann.

O governo federal publicou nesta quarta-feira (18/01) o decreto que autoriza a atuação das Forças Armadas em presídios de todo o país, uma tentativa de conter o caos no sistema prisional, que registrou quatro massacres que deixaram mais de 120 mortos desde o início de janeiro. A medida vale por 12 meses. O Ministério da Defesa vai disponibilizar inicialmente 10 milhões de reais para o emprego dos militares, embora o governo não tenha elaborado uma estimativa de custos para as inspeções.

Leia também: Seis medidas para tentar solucionar o caos nos presídios

Leia também: Polêmica da privatização de presídios: custos, eficácia e responsabilidades

Após a publicação do documento, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, apresentou detalhes de como será a atuação dos militares. Segundo ele, mil soldados do Exército, da Marinha e Aeronáutica serão disponibilizados entre oito e dez dias, e o efetivo poderá ser ampliado conforme a demanda dos estados. Jungmann disse também que os militares só serão usados em ações de varredura nas unidades prisionais, procurando drogas, telefones celulares e armas nas celas. Não está previsto que eles combatam facções criminosas ou atuem no controle de motins.

O ministro disse que o apoio das Forças Armadas aos estados não vai impedir novas rebeliões ou mortes em presídios, mas tende a diminuir as ocorrências e a letalidade da ação de presos amotinados. "Há [no sistema prisional] um vetor que aumenta a letalidade e a violência [das rebeliões], que é a presença de armas nos presídios e penitenciárias. Nossa contribuição é fazer essa limpeza, a pedido dos governadores. Não temos a menor ilusão ou a pretensão de que apenas esses esforços venham a debelar ou resolver essa questão. Estamos contribuindo para reduzir a possibilidade e a letalidade dessas tragédias", declarou o ministro, destacando que a solução do problema passa pela atuação conjunta dos governos estaduais e federal, além dos poderes Judiciário e Legislativo.

De acordo com o ministro, a iniciativa é uma resposta à atuação organizada de facções criminosas. "Um governador isolado, sozinho, não tem meios de resolver esse problema. É preciso que o país entenda – e acho que já há essa percepção – que o aumento da criminalidade, da nacionalização e da internacionalização da criminalidade, é um desafio às instituições e à democracia. Quanto antes atuarmos conjuntamente para inibir e reverter esse processo, menor o custo em termos de vida e de recursos para preservarmos uma vida socialmente tranquila e aceitável", disse.

Pelo plano, os militares não terão contato com os presos, que deverão ser retirados das celas e demais dependências durante as ações de inspeção em busca de armas, drogas e aparelhos celulares. "As Forças Armadas não vão operar e controlar presídios e penitenciárias, não vão manejar os presos durante a varredura e não vão substituir policiais e agentes penitenciários estaduais. As Forças Armadas não atuarão sozinhas", disse Jungmann.

Os mil militares serão divididos em 30 equipes, que serão chamadas à medida em que os governadores solicitarem o seu uso. Serão empregados militares que já atuaram em operações de varredura e segurança realizadas durante a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, sempre que possível deslocados de outras unidades da federação, para evitar a "contaminação" da operação.

Segundo Jungmann, a ideia é que as inspeções sejam realizadas sem avisar previamente as equipes estaduais responsáveis pela administração dos presídios. A medida visa evitar que agentes de segurança que eventualmente tenham sido corrompidos possam avisar os prisioneiros sobre a ação. O ministro também minimizou o risco de que os militares venham a ser "contaminados" pelas facções criminosas durante as ações. "Não haverá esse contato com a criminalidade. As Forças Armadas não irão enfrentar essas facções, isso é tarefa de polícias", disse Jungmann.

JPS/abr/epd

Leia mais