1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Interpol discute uso de banco de dados contra terror

Em assembléia no Rio de Janeiro, mais de 500 policiais de todo o mundo discutem cooperação entre Interpol e ONU para combater terrorismo. Tráfico de drogas e seres humanos, bem como corrupção também estão em pauta.

default

Encontro no Rio reúne policiais de 184 países

Mais de 500 policiais de 184 países discutem a partir desta terça até sexta-feira (19 a 22/09), no Rio de Janeiro, entre outros assuntos, a regulamentação do uso da lista de terroristas procurados, elaborada pela Interpol e pela ONU.

"O combate internacional ao crime foi bastante melhorado nos últimos anos, tanto em termos qualitativos como quantitativos, inclusive no que diz respeito à velocidade da troca de informações", disse à DW-WORLD o novo diretor da Europol, o alemão Max-Peter Ratzel.

Max-Peter Ratzel Europol

Max-Peter Ratzel, novo diretor da Europol

"Para nós, a Interpol é o parceiro de cooperação preferencial", acrescentou. Ele disse que o combate ao terror islâmico tem prioridade máxima desde o 11 de setembro de 2001. "No ano passado, apoiamos 40 inquéritos. Atualmente, ajudamos em 20 processos", disse.

"Avisos Especiais"

O combate ao terrorismo também deverá ser o tema dominante no encontro do Rio. Serão discutidas medidas para o uso mais efetivo do banco de dados "Avisos Especiais", criado em 2005 com base nas resoluções 1267 e 1617 do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A Interpol quer que estes dados sejam facilmente acessíveis às autoridades de segurança locais para o controle das fronteiras. Os cartazes de "procura-se" do banco de dados da Interpol e da ONU são acessíveis no site da Interpol, mas muitas vezes não revelam por que determinada pessoa é procurada.

Para combater a lavagem de dinheiro, está prevista a criação de uma máquina de busca, destinada a facilitar comparações internacionais das cédulas. Outros assuntos em pauta no Rio são o tráfico de drogas e de seres humanos, a cibercriminalidade e crimes econômicos.

Os participantes da assembléia vão avaliar também o projeto de fundação de uma academia anticorrupção, a ter sede em Viena e com abertura prevista para 2007.

Além disso, será avaliado o pedido de ingresso de Montenegro, que declarou sua independência em 3 de junho passado e poderá se tornar o 185º país-membro da Interpol.

Leia mais