Husum: a cidade da obra de Theodor Storm | Conheça os destinos turísticos mais famosos da Alemanha | DW | 28.03.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Turismo

Husum: a cidade da obra de Theodor Storm

Localizada no norte da Alemanha, Husum é conhecida por ser a cidade natal do escritor Theodor Storm, que a usou como cenário para muitas histórias. Além disso, Husum também se destaca por sua arquitetura e contrastes.

default

Mercado central de Husum, onde fica a casa em que Theodor Storm nasceu.

"É uma cidadezinha despojada, minha cidade natal; fica numa planície costeira desprovida de árvores e suas casas são velhas e escuras. Apesar disso, sempre a tive como um lugar agradável." Foi assim que o escritor Theodor Storm descreveu Husum, localizada em Schleswig-Holstein, no alto norte da Alemanha.

A arquitetura de Husum é feita de contrastes. No centro histórico, têm-se as casas imponentes do final do século 16. Já no bairro dos pescadores, os transeuntes encontram travessas pitorescas e pequenas casas típicas. Barcos de arrastão ficam atracados à beira do porto e nas barracas se vendem camarões frescos.

Husumer Hafen

Porto de Husum: casas de pescadores também fazem parte da paisagem

Também ponto turístico da cidade, o Museu da Navegação sedia exposições sobre a caça às baleias, a construção naval e a pesca costeira tradicional. O museu Ostenfelder Bauernhaus (Fazenda de Ostenfeld), maior museu ao ar livre do país, é outra atração para os turistas. Na casa de enxaimel, construída em 1650, os visitantes podem entender melhor como viviam os povos da Frísia do Norte.

Theodor Storm

Embora Husum ofereça diferentes atrações, a maior delas é, sem dúvida, o escritor Theodor Storm. Ele praticamente persegue o visitante, eternizado com um monumento, com os seus livros nas lojas, além de dar seu nome a uma rua, um café, um hotel, um albergue de juventude, um coro e uma torta.

Storm nasceu em 14 de setembro de 1817 em uma tradicional família de Holstein. Seu pai era advogado e sua mãe, filha de um rico comerciante. Porém, a casa onde o escritor nasceu – também cenário do conto Drüben am Markt (Lá no mercado) – é bem pequena, comparada às imponentes casas de comerciantes das redondezas.

Theodor frequentava a elitista Gelehrtenschule de Husum. Porém, como matava aula frequentemente, o pai o mandou a Lübeck para fazer o Gymnasium. Em seguida, estudou Direito em Kiel e Berlim, e exerceu a advocacia em Husum. Localizado no castelo da cidade, o lugar de trabalho do jurista Theodor Storm foi transformado em um centro cultural para concertos e exposições.

O patriota local

Theodor Storm

Theodor Storm fez da cidade cenário de muitas de suas histórias

Por ter passado a maior parte de sua vida em Husum, Storm fez da cidade cenário de 15 de suas 58 novelas. Em suas novelas e poesias, acompanhamos de perto suas vivências de juventude. Na rua Süderstrasse viveu Bötjer Basch, personagem da novela que leva o seu nome; a casa número 42 foi palco para as marionetes de Pole Poppenspäler.

De 1866 a 1880, Storm morou, com sua segunda mulher e seus oito filhos, numa grande e antiga casa de comerciante do século 18. Em 1881, mudou-se para sua Altersvilla (Vila da Velhice), onde morreu em 4 de julho de 1888.

Transformada em museu em 1972, a mansão também sedia a Sociedade Theodor Storm, que conta com mais de 1.500 membros de 20 países diferentes e é uma das maiores associações literárias da Alemanha.

Mestre do terror

Inicialmente menosprezado como autor regionalista, nas últimas décadas, Storm foi reconhecido como importante representante do realismo, ao lado de Theodor Fontane e Gottfried Keller. Em suas histórias, o escritor aborda temas referentes à vida burguesa, além de ter uma forte queda pelo terror.

Em seu último trabalho, o Schimmelreiter (O homem do cavalo branco), essa característica se sobressai, com a história do cavaleiro que assombra um dique numa noite tempestuosa. Publicada em 1888, a última e mais forte novela de Storm descreve a luta do conde Hauke Haien contra a ira dos mares e contra a tacanhice da sociedade que o cerca.

JBN/AS/dw

Leia mais