1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Hillary Clinton assume responsabilidade por atentado em Benghazi

Ex-secretária de Estado defende sua atuação após ataque ao consulado dos EUA na Líbia, em 2012. Painel dominado por republicanos acusa pré-candidata democrata de acobertar fatos e informar erroneamente a opinião pública.

Hillary Clinton, pré-candidata democrata à presidência dos EUA e ex-secretária de Estado, iniciou seu testemunho perante um painel do Congresso sobre os ataques ao consulado dos EUA na Líbia, em 2012.

"Assumo a minha responsabilidade", disse Hillary, mas que negou ter acobertado fatos sobre o ataque de 11 de setembro de 2012. Ela salientou também que os Estados Unidos nunca irão ser capazes de prevenir e impedir todos os ataques terroristas e que aceitar este nível de risco também faz parte do trabalho diplomático.

A ex-secretária de Estado refutou as duras críticas de republicanos sobre seu gerenciamento do ataque em Benghazi, que matou o embaixador J. Christopher Stevens e outras três pessoas da diplomacia e inteligência americana. Ela também instou os interlocutores no Congresso para colocar a segurança dos EUA à frente da disputa política interna.

Numa audiência por vezes acalorada, os republicanos acusaram Hillary de informar erroneamente a opinião pública sobre a causa do ataque realizado por supostos militantes islâmicos. O deputado republicano Jim Jordan disse que Hillary enganosamente implicou que o ataque foi uma reação a um vídeo anti-muçulmano. Hillary negou.

"Eu pensei sobre o que aconteceu mais do que todos vocês juntos", disse ela ao painel. "Eu perdi mais sono do que todos vocês juntos. Estive quebrando a cabeça sobre o que poderia e deveria ter sido feito." Hillary negou também as alegações já antigas dos republicanos de que ela rejeitou pedidos para reforçar a segurança em Benghazi.

A presença perante o painel de Benghazi foi um grande teste político para Hillary Clinton, que passa por um bom momento desde o ótimo

desempenho no debate democrata

da semana passada e a notícia de que o vice-presidente dos EUA,

Joe Biden

, seu maior adversário em potencial, não concorrerá.

No período que antecedeu o testemunho de Hillary, houve uma conjectura difundida pela mídia americana de que o painel liderado por republicanos estava mais interessado em afetar a imagem da pré-candidata presidencial democrata nas pesquisas de opinião.

Mas o presidente da comissão parlamentar, Ted Gowdy, desmentiu as presunções em seu discurso inicial: "Senhora secretária, eu entendo algumas pessoas – francamente de ambos os lados – que sugeriram que esta investigação é sobre sua pessoa. Garanto-lhe que não é."

"Nem um único membro desta comissão assinou para a investigação sobre a senhora e seu sistema de e-mail", acrescentou Gowdy, em referência a outra questão controversa em torno de Hillary Clinton. O comitê passou 17 meses analisando os ataques de Benghazi.

PV/rtr/ap/lusa

Leia mais